Boneco parecido com Maduro para as crianças venezuelanas neste Natal

Desde bicicletas a bonecas Barbie, todos os anos o governo da Venezuela entrega milhares de presentes de Natal às crianças mais pobres do país. Este ano, a lista de prendas contou com uma novidade: um boneco com um fato semelhante ao do Super Homem e com um grande bigode. O personagem tem o nome de Super Bigote (em português, Super Bigode) e foi feito à imagem do presidente Nicolás Maduro.

A figura surgiu pela primeira vez há cerca de um ano, como desenho animado numa série da televisão estatal venezuelana. Aí, o Super Bigode lutava contra um vilão que se assemelhava a Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos, e que tentava implantar o caos a partir da sua mansão, parecida com a Casa Branca. O protagonista também se debatia com personagens inspirados nos líderes da oposição ao governo.

No entanto, o "super-herói" não está sozinho. Tem a companhia de Cilita, uma boneca que se parece com a primeira-dama da Venezuela, Cilia Flores.

Académicos e opositores a Maduro descrevem estes presentes natalícios como um gesto de mau gosto do governo para tentar doutrinar as crianças. Os apoiantes do presidente mostraram-se contentes com os bonecos e garantem que os mais novos gostam muito.

A vice-presidente Delcy Rodríguez disse que o governo comprou 13 milhões de prendas para as crianças, enquanto o país luta contra uma hiperinflação e uma recessão económica que dura há quase dez anos. Um estudo deste ano, coordenado pela Universidade Católica Andrés Bello, na capital venezuelana, Caracas, estimou que 53% da população vive em situação de pobreza extrema.

O salário mínimo e as pensões no país, agora no valor de 7,59 dólares americanos por mês, não são suficientes para comprar um quilo de carne de vaca, que custa entre oito e dez dólares nos estabelecimentos da capital. De acordo com o Centro de Documentação e Análise Social da Federação Venezuelana de Professores, atualmente, uma família de cinco pessoas precisa de mais de 470 dólares por mês para comprar um cabaz alimentar básico.

A moeda nacional não para de perder valor. Um dólar americano custa agora 17,11 bolívares venezuelanos. No início do ano, a taxa de câmbio era de 4,58 bolívares. O aumento exponencial do valor do dólar encareceu os bens e serviços, cujos preços são maioritariamente afixados na moeda norte-americana.