Boric diz que moeda comum de Haddad é 'interessante', mas exige longo debate

BRASÍLIA, DF,  02/01/2023 - Entrevista com Gabriel Boric, presidente do Chile, na Embaixada Do Chile em Brasilia. Boric veio ao Brasil para acompanhar a posse de Lula e participar de reuniões bilaterais com o Presidente eleito em outubro de 2022. (Foto: Marlene Bergamo/ Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 02/01/2023 - Entrevista com Gabriel Boric, presidente do Chile, na Embaixada Do Chile em Brasilia. Boric veio ao Brasil para acompanhar a posse de Lula e participar de reuniões bilaterais com o Presidente eleito em outubro de 2022. (Foto: Marlene Bergamo/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do Chile, Gabriel Boric, diz achar "interessante" a proposta do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, de criação de uma moeda comum que fortaleça o vínculo comercial entre os países da região.

"Temos que pensar fora da caixa", disse Boric à reportagem, revelando que foi perguntado sobre o mesmo assunto quando visitou a Colômbia.

O presidente chileno afirma, no entanto, que "os processos são de longo prazo".

"Pensemos na experiência europeia. A Comunidade Europeia do Carvão e do Aço [a primeira entidade supranacional formada por vários países europeus] foi fundada nos anos 1950. E acabou na União Europeia, que só conseguiu uma moeda comum quase 50 anos depois", afirma ele.

No ano passado, Haddad e o economista Gabriel Galípolo, que hoje é secretário-executivo do Ministério da Fazenda, defenderam em um artigo no jornal Folha de S.Paulo a criação de uma moeda sul-americana para impulsionar o comércio e a integração entre os países. A ideia é afastar o protagonismo do dólar nas relações econômicas na região.

Ela não seria, no entanto, uma moeda única —como é hoje o euro, na Europa. Cada país da América do Sul seguiria tendo a sua própria moeda.

Haddad já falou sobre a criação de uma moeda comum com o ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, que recebeu em sua casa, em São Paulo, e também com o embaixador Argentino no Brasil, Daniel Scioli.

Depois de conversar com Haddad, o embaixador afirmou que objetivo é fortalecer o bloco comercial e ampliar o vínculo entre os países da região.

Ele também sinalizou que está descartada a criação de uma moeda única, como o euro, moeda oficial dos países-membros da União Europeia.