Boris Johnson perto de se tornar primeiro-ministro do Reino Unido

Por Ouerdya AIT ABDELMALEK
Boris Johnson em 26 de junho de 2018 em Londres

A corrida para a sucessão da primeira-ministra britânica Theresa May termina nesta segunda-feira com o encerramento da votação dos membros do Partido Conservador, e salvo uma surpresa Boris Johnson será na terça-feira declarado o vencedor.

Favorito nas pesquisas e entre os membros do Partido Conservador, Johnson já pode esperar dificuldades internas, com alguns em desacordo com a sua estratégia sobre o Brexit, e a crise diplomática com o Irã.

"Bojo", como é chamado, de 55 anos, ex-prefeito de Londres e ex-ministro das Relações Exteriores, enfrenta Jeremy Hunt, 52 anos, seu sucessor no comando da diplomacia britânica.

De acordo com uma pesquisa publicada pelo blog conservador "Conservativehome", ele venceria com 73% dos votos dos 160 mil membros do partido. A votação terminará às 16h00 GMT (13h00 de Brasília) e os resultados serão anunciados na manhã de terça-feira.

O vencedor será nomeado chefe do Partido Conservador e será apresentado na quarta-feira perante a rainha Elizabeth II, que vai confiar a ele a responsabilidade de formar o governo.

Caberá ao vencedor ter sucesso onde que May falhou: concretizar o Brexit, em um país profundamente dividido sobre o assunto, três anos após o referendo de 23 de junho de 2016.

O futuro chefe do governo também terá que lidar com as tensões no Golfo e a captura pelo Irã do "Stena Impero", um petroleiro de bandeira britânica.

Personagem excêntrico e polêmico, Johnson provoca profunda animosidade entre os opositores do Brexit, muitos dos quais consideram que o seu apoio à saída da UE em 2016 serviu apenas como instrumento de suas ambições pessoais.

Johnson se apresenta como o salvador do Brexit, inicialmente marcado para 29 de março, mas adiado para 31 de outubro, e elogia seu "otimismo": "Onde há contade, há solução", diz.

Sem nunca poupar metáforas grandiloquentes, comparou nesta segunda-feira o processo do Brexit e o primeiro passo na Lua.

"Se eles conseguiram retornar à atmosfera da Terra em 1969 com um código informático artesanal, poderemos resolver o problema de um comércio sem atrito na fronteira da Irlanda do Norte", escreveu ele em sua coluna no Telegraph.

A fronteira na ilha da Irlanda, entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República da Irlanda, membro da União Europeia, é o principal obstáculo no processo Brexit.

Johnson não descarta uma saída da União Europeia (UE) sem acordo, o uma ideia que não é unânime entre os conservadores.

Dois dias atrás, o ministro das Finanças, Philip Hammond, declarou que faria "tudo" para impedir uma saída sem acordo e depois garantiu que se Jonhson vencer apresentará sua renúncia.