Boris Johnson: por que vitória no Parlamento não é o fim dos problemas do premiê britânico

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O premiê Boris Johnson durante os festejos pelo Jubileu de Platina da rainha Elizabeth 2ª
O premiê Boris Johnson durante os festejos pelo Jubileu de Platina da rainha Elizabeth 2ª

O premiê britânico, Boris Johnson, conseguiu permanecer no cargo após obter os votos necessários na moção de desconfiança criada por seus colegas do Partido Conservador no Parlamento.

Políticos e analistas da BBC, no entanto, avaliam que Johnson continua em uma situação de fragilidade política em um futuro próximo.

Johnson recebeu 211 votos a seu favor, mas 148 parlamentares conservadores se posicionaram pela sua saída da liderança do partido e queda do posto de primeiro-ministro.

O editor de Política da BBC News, Chris Mason, afirma que o número de votos contra Johnson foi significativamente maior do que o contabilizado na moção de desconfiança levantada contra a também conservadora Theresa May. Apesar de ter sobrevivido ao processo, a então premiê May caiu seis meses depois.

"Um vitória em termos matemáticos está bem longe de restaurar a autoridade. Isso prossegue como um desafio colossal", afirma Mason.

Há meses, Johnson está no centro de um escândalo apelidado de "partygate" envolvendo festas e comemorações durante o período mais estrito de lockdown na Inglaterra.

Um deles foi uma festa de aniversário organizada para o primeiro-ministro no chamado Cabinet Room (sala de reuniões ministeriais) em 19 de junho de 2020.

A funcionária pública responsável por investigar acusações de violações de regras sanitárias por funcionários do governo, Sue Gray, falou em "fracasso de liderança e de julgamento" e diz que, "sob o contexto da pandemia, quando o governo pedia que cidadãos aceitassem restrições amplas em suas vidas, alguns dos comportamentos ao redor desses encontros são difíceis de serem justificados".

"O resultado superou as expectativas dos 'rebeldes' [o grupo de conservadores que tenta tirar Johnson da liderança do partido], que nunca tiveram esperança de ganhar a votação. Eles enxergam como a derrota de uma batalha, mas que a guerra para substituí-lo continua", diz Mason.

Segundo o correspondente político Iain Watson, "não poderá haver outro desafio formal a Johnson no período de um ano, mas seus críticos foram encorajados, e não silenciados".

Porém, Graham Brady, que supervisiona o processo de moção de desconfiança, afirma que "tecnicamente é possível" mudar as regras para antecipar uma nova votação para tentar mais uma vez tirar Johnson.

Antes de sair o resultado oficial, o político conservador Ben Bradley disse que seria "surpreendente e decepcionante" se mais de 100 parlamentares conservadores votassem contra Johnson.

No final, quase 150 foram contra a permanência do primeiro-ministro da liderança conservadora.

O correspondente político Watson previa que esse número poderia indicar o abandono dos próprios ministros de Johnson - muitos deles participam do processo, que é secreto - e uma perspectiva de tempos difíceis no número 10 de Downing Street - a residência oficial do premiê britânico.

Outro político conservador, Roger Gale, membro do Parlamento há quase 40 anos, votou pela saída de Johnson e disse que o resultado, mesmo vitorioso, é muito ruim para o premiê e que ficaria surpreso se Johnson ainda estivesse no posto no fim de setembro próximo.

Na oposição, David Lammy, do Partido Trabalhista, diz que Johnson está "ferido de morte". O líder trabalhista Keir Starmer afirmou que a população está "irritada com um premiê que promete muito, mas nunca entrega".

O que diz o público?

Pesquisa divulgada um mês atrás pelo instituto YouGov apontou que 68% dos entrevistados faziam uma avaliação ruim do desempenho de Boris Johnson em contraste com os 26% que tinham uma visão positiva.

A trajetória nas pesquisas de avaliação já está no território negativo há algum tempo.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos