Boris Johnson se livra de investigação por conflito de interesse

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson em 8 de maio de 2020

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson não será alvo de uma investigação criminal após ser acusado de fornecer fundos públicos a uma suposta empresária americana com quem ele estava tendo um caso, anunciou a polícia nesta quinta-feira.

O caso, que explodiu em setembro, destacou os laços estreitos entre o líder conservador e Jennifer Arcuri, uma ex-modelo que virou empresária de alta tecnologia que recebeu numerosos endossos públicos enquanto Johnson era prefeito de Londres entre 2008 e 2016.

O primeiro-ministro sempre negou qualquer irregularidade e se recusou a esclarecer se ele teve um caso com a americana.

A autoridade pública da região de Londres encaminhou o caso à polícia para avaliar se uma investigação criminal deveria ser aberta contra o ex-prefeito da capital.

Após examinar "900 documentos" e escrever e-mails por mais de oito anos sobre essas suspeitas, a polícia considerou desnecessário abrir uma investigação desse tipo.

"Não encontramos evidências de que Johnson tenha influenciado o pagamento de fundos de patrocínio à Arcuri ou que tenha influenciado ou desempenhado um papel ativo na obtenção de sua participação em missões comerciais", disse o chefe de polícia Michael Lockwood.

A polícia determinou que as evidências sugerem que os funcionários responsáveis por tomar essas decisões "acreditavam que havia um relacionamento próximo entre Johnson e Arcuri e isso influenciou suas decisões".

Johnson deveria ter declarado esse relacionamento um conflito de interesses, acreditam os investigadores. Mas não fazer isso não é crime, embora possa violar o código de conduta da autoridade regional.

A Greater London Authority instruiu seu comitê de supervisão para continuar investigando. Uma auditoria do governo concluiu meses atrás que a alocação de uma dotação de £ 100.000 de um fundo do governo para Arcuri era justificada.