Bosch e IBM unem forças para busca de minerais substitutos para veículos elétricos

FRANKFURT/BERLIM (Reuters) - A Bosch formou uma parceria com a IBM para usar computação quântica e tecnologia de simulação para encontrar alternativas às terras raras e metais necessários para veículos elétricos.

Os minerais usados ​​em ímãs de motores elétricos, membranas em células de combustível para tecnologia de hidrogênio, e para a indústria aeroespacial e militar são caros e muitas vezes extraídos de maneiras insustentáveis.

A China fornece 98% da demanda da União Europeia por ímãs feitos de terras raras, e os minerais usados em baterias, como lítio, níquel e cobalto, também são quase inteiramente importados do exterior.

A cooperação em pesquisa usará a computação quântica para explorar quais materiais diferentes podem substituir parcial ou totalmente os usados ​​atualmente, disse o chefe de pesquisa e desenvolvimento corporativo da Bosch, Thomas Kropf.

O objetivo é alcançar resultados em uma década. "Esta tecnologia está prestes a se tornar real", disse Stefan Hartung, presidente-executivo da Bosch.

Ele acrescentou que a Bosch está compartilhando sua experiência na simulação de materiais com a IBM para "áreas de aplicações muito específicas" e, em troca, obteria "indicações mais profundas sobre o poder e a aplicabilidade da computação quântica, incluindo hardware".

A Bosch está investindo 10 bilhões de euros em digitalização e conectividade até 2025, com novas tecnologias focadas em sustentabilidade e mobilidade representando dois terços.

(Por Christoph Steitz e Victoria Waldersee)