Botafogo oferece estrutura para combate a Covid-19 e inicia movimento no Rio

Marcello Neves, Diogo Dantas e Giulia Costa
Jogadores do Botafogo fazem protesto

A pandemia do novo coronavírus afetou diretamente o esporte. Mas os clubes brasileiros tem se movimentado e conseguido dar bons exemplos. No Rio de Janeiro, quem se destacou foi o Botafogo, que ofereceu a estrutura do Estádio Nilton Santos para auxiliar, dentro do que for necessário, as autoridades de saúde no combate ao Covid-19.

"O Botafogo de Futebol e Regatas coloca a infraestrutura do Estádio Nilton Santos à disposição das autoridades de saúde para ajudar no que for necessário no período da pandemia COVID-19. O Clube, ciente de sua responsabilidade social, se solidariza nesse momento dificil", escreveu o clube nas redes sociais.

Enquanto isso, o Maracanã está fechado. O GLOBO apurou que a ordem dos administradores é de gasto mínimo e, até agora, não há nenhum sinal de que o local vá virar hospital de campanha. O Flamengo ainda não se movimentou nesse sentido, enquanto o Fluminense estuda as ações que tomará nos próximos dias.

Apesar da cessão de espaços como estádios, o problema no Rio de Janeiro tem sido a falta de equipamento para UTI.

O primeiro clube brasileiro a tomar atitudes foi o Bahia. O Fazendão foi disponibilizado ao governador Rui Costa, que afirmou que o antigo centro de treinamento do clube baiano receberá pacientes com a Covid-19 que não precisam de tratamentos complexos.

O São Paulo disponibilizou as instalações do Morumbi para a mesma finalidade. O Corinthians colocou a disposição o seu estádio, além de CT e do Parque São Jorge para o governo paulista.

Completando a lista, o Athletico disponibilizou para o poder público a Arena da Baixada e o Centro de Treinamento Alfredo Gottardi. Os espaços poderão ser utilizados para campanhas de vacinação e também o tratamento de pessoas contaminadas pelo Covid-19.

"Esperamos que as medidas competentes e antecipadas já tomadas pelos governos do Estado do Paraná e Município de Curitiba irão controlar a contaminação", escreveu o Athletico em nota.