Boulos defende realizar mais concursos para sanar déficit da Previdência e é criticado por economistas

CAROLINA LINHARES
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em sabatina do jornal O Estado de S. Paulo, nesta quarta-feira (18), Guilherme Boulos (PSOL) defendeu a realização de concursos públicos para equilibrar o déficit da Previdência pública, ignorando que a contratação de mais servidores representa um aumento de gasto com salário e com aposentadorias futuras. "Sabe por que a Previdência do serviço público se torna deficitária? Porque não se faz concursos. Para a Previdência se equilibrar, você tem que ter gente contribuindo, não só gente recebendo", disse Boulos. O candidato defendia a realização de concursos para a contratação de professores, médicos, procuradores, guardas municipais e profissionais de assistência social. "Então você tem mais gente se aposentando, virando inativo para receber na Previdência, e, como não se faz concurso, você tem menos gente contribuindo para a Previdência pública. Fazer concurso é uma forma de arrecadar mais para a Previdência pública e equilibrar a conta com os inativos", completou. A medida foi criticada até por economistas simpáticos a ele, como Laura Carvalho. "Do ponto de vista estritamente contábil e de curto prazo, é verdade que o déficit do sistema previdenciário cai quando mais gente contribui pro sistema. Mas é claro que isso também acarretaria um custo maior com salários de servidores e aposentadorias futuras", disse ela.