Boulos inventou "Covid para fugir do debate", acusa marido de Marta Suplicy

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Marta Suplicy ao lado do marido, Márcio Toledo
Marta Suplicy ao lado do marido, Márcio Toledo

Em um grupo reservado de WhatsApp, o teste positivo de Guilherme Boulos (PSOL) para coronavírus rendeu comentários e acusações entre apoiadores de Bruno Covas (PSDB). Márcio Toledo, marido de Marta Suplicy, afirmou sem provas que o rival do tucano inventou o diagnóstico para “fugir do debate” que seria realizado pela Globo na última sexta-feira (27).

“Acredito que foi um Covid providencial para fugir do debate. Como diria Chico Anysio em uma de suas personagens: fotografou ele tirando sangue? O teste é mesmo dele? Ou ele cansou de mostrar o plano de governo ‘copy’ e cola”, diz a mensagem compartilhada pelo marido de Marta Suplicy e obtida pelo site BR Político.

Leia também

Márcio Toledo ainda chamou Boulos de “picareta” e disse que o candidato do PSOL seria “trucidado e desmascarado” por Covas no embate cancelado pela Globo. Marta Suplicy, ex-prefeita de São Paulo pelo PT (2001-2004), tem participado de carreatas ao lado do tucano protegida por telas de acrílico, tática semelhante à de sua oponente, Luiza Erundina, também ex-prefeita (1989-1992) e candidata a vice de Boulos.

O candidato do PSOL recebeu o diagnóstico positivo para coronavírus horas antes da transmissão do programa. Ele propôs um debate virtual, vetado pelo regulamento assinado pelos dois candidatos, e seus apoiadores exigiram da emissora que aceitasse a sugestão.

"Conforme já noticiado, testei positivo para Covid-19, mesmo não tendo sintomas, e estou em isolamento. Já pedimos à Globo para o debate ser mantido de forma virtual. Peço duas coisas: cuidem-se e virem votos até domingo. A virada depende de cada um de nós", escreveu Boulos no Twitter.

Bruno Covas, que chegou a gravar peças de sua campanha na TV divulgando o debate da Globo, desejou no Twitter pronta recuperação a seu oponente.

Pelas regras do debate, está previsto o seu cancelamento caso um dos candidatos não puder comparecer ao estúdio por problema de saúde. O contrato assinado e protocolado no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) ressalta que o encontro só pode acontecer de forma presencial, não virtual.