Boulos tem celular clonado e hackers pedem doações para apoiadores

·1 minuto de leitura
Guilherme Boulos, a former candidate for the presidency of Brazil (PSOL) and an activist from the Landless Workers' Movement (MTST), speaks to students at the congregation of the State University of Sao Paulo (Unesp), in Franca, Sao Paulo, Brazil, on April 16, 2019. (Photo by Igor Do Vale/NurPhoto via Getty Images)
Guilherme Boulos está em terceiro lugar na corrida eleitoral para ser prefeito de São Paulo (Foto: Igor Do Vale/NurPhoto via Getty Images)

Guilherme Boulos (PSOL), candidato à prefeitura de São Paulo, teve o celular clonado na manhã desta segunda-feira, 19. Boulos relatou que foram enviadas mensagens para a lista de contatos dele para pedir doações para a campanha.

A defesa de Boulos pretende entrar na Justiça Eleitoral. Ao UOL, o candidato do PSOL disse acreditar que foi um ataque à campanha dele. O número usado para enviar as mensagens para a lista de contato deles já foi identificado.

"Nosso advogado já entrou com uma ação na Justiça para derrubar esse número", afirmou. O caso também deverá ser investigado pelo Ministério Público Eleitoral. Apoiadores de Boulos já foram avisados da clonagem e que não devem fazer qualquer tipo de doação.

Leia também

Em nota, a campanha de Boulos explicou que não pede doações pelo celular. As formas oficiais de dar dinheiro para a campanha do candidato do PSOL são pelo site e pela conta oficial da campanha.

Na pesquisa mais recente feita pelo Ibope, Boulos aparece em terceiro lugar, com 10% das intenções de voto, atrás de Celso Russomano (Republicanos) e Bruno Covas (PSDB).