Braga Netto faz nova investida no agro e critica Alckmin por mudar valores

***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 25.05.2022 - O general Braga Netto (PL), candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PL). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 25.05.2022 - O general Braga Netto (PL), candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PL). (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Na penúltima semana de campanha, o general Braga Netto (PL), candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PL), fez uma investida no agronegócio em eventos em Campo Grande (MS).

Em duas entrevistas, uma ao Canal do Boi e outra ao jornal O Estado de Mato Grosso do Sul, o ex-ministro fez acenos ao setor e atacou Geraldo Alckmin (PSB), vice de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), destacado para fazer a ponte com esse eleitorado.

"Eu não mudaria os meus valores por causa do poder. Não faz parte da minha índole. Simplesmente para poder ter uma ascensão política, abandonar tudo que eu falei tempos atrás e mudar de lado. Isso jamais faria", criticou.

Braga Netto foi destacado para ir ao estado bloquear as tentativas de aproximação de Lula com ruralistas, enquanto Bolsonaro se dedica a agendas no Nordeste e principalmente no Sudeste, prioridade da campanha no momento.

Inicialmente, os petistas previam a ida de Alckmin a Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, mas as viagens acabaram não saindo do papel. A ponte acabou se resumindo a agendas em Goiás na quarta-feira (21).

O secretários de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, que acompanhou Braga Netto em Campo Grande, diz que Alckmin nunca teve uma interlocução expressiva com o agronegócio. "Nunca teve representatividade", sustenta.

Nabhan não quis revelar quais empresários estiveram com o candidato a vice para "não expor" as pessoas. E nega que reforçar as doações para a chapa presidencial tenha sido um dos motivos da viagem. "É óbvio que as doações ficaram bem aquém do que se esperava, mas o presidente está acostumado a fazer campanha sem recursos."

Nas agendas públicas, Braga Netto não economizou nos acenos. Defendeu o marco temporal para demarcação de terras indígenas e afirmou que, caso não seja aprovado, poderia afastar investimentos do país. Prometeu ainda um aumento de 36% no Plano Safra de 2023, de R$ 340 bilhões, a ampliação da BR-376, e a ligação entre os portos de São José (PR) e de São João em Taquarussu (MS).

"No 7 de setembro desfilaram as máquinas do agro, para justamente dar o devido reconhecimento ao setor que gera riqueza ao país", destacou.

Essa é a segunda vez que Braga Netto se reúne em empresários do setor produtivo. No final de agosto, ele esteve em Sinop e Sorriso, dois municípios produtores de grãos em Mato Grosso.