Braga Netto repete antecessor, sobrevoa atos em Brasília ao lado de Bolsonaro e causa desconforto em militares

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Interlocutor do governo Bolsonaro com as Forças Armadas, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, sobrevoou ao lado do presidente o ato deste 7 de setembro realizado em Brasília. A participação do general da reserva em eventos políticos têm gerado desconforto na caserna.

Ao embarcar no helicóptero, o ministro da Defesa reproduziu um episódio protagonizado por seu antecessor, o ex-chefe da pasta Fernando Azevedo e Silva, que, em 2020, também subiu a bordo de uma aeronave para sobrevoar ao lado de Bolsonaro os atos antidemocráticos em Brasília, que atacavam os ministros do Supremo Tribunal Federal.

A ação de Azevedo e Silva, à época, foi questionada pelo então presidente do Supremo, ministro Antonio Dias Toffoli, que cobrou uma explicação sobre o ocorrido. Antes de assumir a pasta, Azevedo era assessor do magistrado na Corte.

Naquele episódio, a Defesa alegou que o general acompanhara Bolsonaro "para checar as condições de segurança" na Esplanada dos Ministérios, mesma justificativa adotada agora por Braga Netto.

Azevedo e Silva deixou as Forças Armadas após relação dúbia com a política. Ele foi substituído por Braga Netto, que trocou o comando de Exército, Marinha e Aeronáutica. Agora, Braga Netto repete os passos do antecessor. Estavam também no helicóptero o deputado federal Eduardo Bolsonaro, e o senador Marcos Rogério, integrante da CPI da Covid.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos