Braga Netto viaja a Mato Grosso em busca de doações de produtores

*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF,  BRASIL 16.02.2018 O general Walter Braga Netto, comendante do CML (Comando Militar do Leste), que vai ser o interventor da segurança pública do estado do RJ (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, BRASIL 16.02.2018 O general Walter Braga Netto, comendante do CML (Comando Militar do Leste), que vai ser o interventor da segurança pública do estado do RJ (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O general Braga Netto, candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PL), viaja nesta semana a Mato Grosso numa investida da campanha do presidente no agronegócio, com o objetivo de estimular os produtores a fazer doações e conter movimentos que o PT tem feito para se aproximar do setor.

Braga Netto irá a Sinop e Sorriso, grandes produtores de grãos. Na quinta (1º), ele visitará uma usina da Inpasa, que produz etanol de milho. Na sexta (2), irá a uma unidade do grupo Caramuru, processador de soja, milho e outros grãos. O senador Wellington Fagundes (PL-MT) acompanhará o general no estado.

A campanha de Bolsonaro recebeu até agora R$ 2,3 milhões em doações de pessoas físicas, o equivalente a quase um quinto do total arrecadado, R$ 12,4 milhões. A maior parte do dinheiro veio dos cofres do próprio PL, e a campanha conta com os produtores rurais para obter mais doações de pessoas físicas.

O Painel revelou que o secretário de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura, Nabhan Garcia, cobrou doações do setor em mensagem dirigida a grupos de apoiadores. "Muita gente que pode e não ajuda se finge de surdo, de cego e de mudo para não ajudar e depois ainda dizer: 'Ajudei'", disse ele.

O ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi, que foi senador e governador de Mato Grosso, tem atuado para reduzir resistências dos líderes do agronegócio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que enfrenta grande rejeição no setor. A viagem de Braga Netto busca se contrapor a esses esforços.