Brasil é segundo país do mundo mais disposto a se vacinar, diz pesquisa

·2 minuto de leitura
A vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e o instituto Butantan

A China lidera os países onde é mais provável que as pessoas se vacinem (80%), à frente de Brasil (78%) e Reino Unido (77%), que iniciou a vacinação em 8 de dezembro - aponta uma pesquisa publicada nesta terça-feira (29) pelo Ipsos Global Advisor, em associação com o Fórum Econômico Mundial.

Estados Unidos, onde também teve início uma enorme campanha de vacinação, é o único país onde as intenções de vacinação estão aumentando (69% hoje, 64% em outubro).

Apenas quatro em cada dez franceses querem se vacinar contra a covid-19, de acordo com o estudo que mostra a França como o "campeão mundial" dos países refratários, à frente da Rússia e da África do Sul.

Na França, onde acaba de começar a campanha de vacinação, 40% das pessoas entrevistadas concordariam em se vacinar contra a covid-19, de acordo com este estudo. Uma quantidade muito baixa em comparação com um estudo anterior publicado em outubro (54% queriam se vacinar) e inclusive ainda mais em comparação com agosto (59%).

A França não é o único país onde as intenções de vacinação são relativamente baixas. Segundo o estudo do Ipsos Global Advisor, somente 43% dos russos estão prontos para receber a vacina, e 53%, dos sul-africanos.

Depois deles, vêm Japão (60%), Itália e Espanha (62%) e Alemanha (65%).

Nos países em que a pesquisa foi aplicada, o principal motivo dos refratários é o medo dos efeitos colaterais (80% na Coreia do Sul, 76% no Japão, 72% na França). A dúvida sobre a eficácia é a segunda razão em muitos países.

Em terceiro, está a oposição geral às vacinas, que preocupa aproximadamente um quarto da população entrevistada na Rússia (26%) e África do Sul (23%), mas menos de 10% na Coreia do Sul (7%), Japão (8%) e China (9%). Na França, 14% das pessoas entrevistadas dizem ser contra as vacinas em geral.

O estudo foi realizado em 15 países pela plataforma on-line Ipsos Global Advisor entre 17 e 20 de dezembro com uma amostra de 13.542 adultos (incluindo cerca de mil franceses de 18 a 74 anos).

abd/pr/rh/anr/cac/msr/age/aa/tt