Brasil é um país cada vez mais armado

Sob o regime de Jair Bolsonaro, o Brasil é um país cada vez mais armado.

A importação das armas de fogo disparou e, segundo dados do Ministério da Economia, o número de revólveres e pistolas fabricadas no estrangeiro que entraram no Brasil nos últimos dois meses é o mais elevado dos últimos 25 anos.

Bruno Langeani é o diretor do Instituto Sou da Paz e autor do livro "Arma de fogo no Brazil: gatilho da violência":

"Desde a chegada do Bolsonaro teve uma série de flexibilizações da legislação que gerou uma corrida de compra de armas no Brasil e esse aumento, dependendo do registro sendo na polícia federal, no exército, está aumentando de 300% a 500% e o que é mais grave é que a gente está vendo uma compra de uma maior quantidade de armas por cidadão (...). Hoje um civil pode comprar armas muitas vezes mais potentes do que à própria polícia."

Desde que Bolsonaro chegou ao poder, em 2019, o número de caçadores, atiradores desportivos e colecionadores de armas registados passou de 117.000 para mais de 673.000, ultrapassando o número de efetivos na polícia, que é de um pouco mais de 406.000.

O setor vai de vento em poupa, como explica o ex-polícia Marcelo Costa, presidente do clube Mil Armas:

"Quando o governo atual deu a acessibilidade às armas, eu também entendi que eu tinha que caminhar junto. Por isso que nós ampliamos essa questão de armas, ou seja, com lojas, estandes. Contamos também com um departamento jurídico e administrativo que cuida toda a parte do processo para aquisição e porte de arma."

De acordo com dados do Exército brasileiro, desde a chegada de Bolsonaro, foram abertos perto de mil clubes de tiro no país.