Brasil bate novo recorde e cesta básica passa de R$ 700

·1 min de leitura
  • Preço compromete cerca de 58,35% do salário mínimo da população de baixa renda;

  • Florianópolis, São Paulo, Porto Alegre e Rio de Janeiro estão nos primeiros lugares do ranking;

  • Batata, tomate, pó de café, óleo de soja e açúcar tiveram a maior alta de preço.

O preço da cesta básica voltou a subir em outubro, em 16 das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese, chegando a passar de R$ 700. No top 4, o valor pago em Florianópolis chega a R$ 700,69, seguida por São Paulo (R$ 693,79), Porto Alegre (R$ 691,08) e Rio de Janeiro (R$ 673,85).

Para as famílias de baixa renda, o alto valor compromete, em média, 58,35% do salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social (7,5%).

O Dieese estima que o salário mínimo necessário deveria ser equivalente a R$ 5.886,50 - considerando uma família com 4 pessoas.

O preço do café em pó, por exemplo, ficou mais caro em 16 capitais, com destaque em Vitória (10,14%), Rio de Janeiro (10,06%), Campo Grande (9,81%) e Curitiba (9,78%). O leite teve maior aumento em Campo Grande, e o açúcar bateu recorde de preço no Rio de Janeiro, de acordo com o G1

Em algumas capitais, já equivale mais de 60% do salário mínimo. 

O Dieese apontou a batata, o tomate, o pó de café, o óleo de soja e o açúcar como os alimentos mais caros no período entre outubro e novembro. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos