Brasil começa a vacinar contra Covid em 20 ou 21 de janeiro, diz frente de prefeitos

Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
Chegada de doses da CoronaVac em São Paulo

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil começará a vacinar a população contra a Covid-19 no dia 20 de janeiro ou, se houver algum problema de logística, no dia 21, disse nesta quinta-feira o presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizette, após reunião do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com chefes dos Executivos municipais.

Ele afirmou que a vacinação começará com 6 milhões de doses das vacinas CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, e 2 milhões do imunizante da AstraZeneca desenvolvido em parceria com a Universidade de Oxford. Esses 8 milhões de doses serão suficientes para vacinar 5 milhões de pessoas, afirmou.

O dirigente detalhou que essa forma de distribuição se deve ao fato de que a vacina da AstraZeneca poderá ser aplicada em uma dose e ter um intervalo de três meses para a segunda e, no caso da CoronaVac, as prefeituras terão de dividir em dois lotes com um intervalo de 21 dias entre a primeira e segunda doses.

Para o início da vacinação, o Ministério da Saúde depende que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conceda autorizações para uso emergencial dessas duas vacinas, em reunião que será realizada no domingo.

"Então, 2 milhões de pessoas serão imunizadas pela AstraZeneca e 3 milhões de brasileiros pela CoronaVac e todas as cidades receberão as duas vacinas. Não há hipótese de um município querer apenas uma. Todas as cidades receberão as duas", destacou.

O marco do início da vacinação contra Covid-19 pelo governo federal deve ocorrer na próxima terça-feira, dia 19, disse uma fonte com conhecimento do assunto à Reuters nesta quinta-feira.

"Para começar, (as vacinas) têm que chegar nas capitais. A autorização temporária da Anvisa deve sair nesse fim de semana", disse a fonte. "Dia 19 deve ser o marco do início da vacinação com anúncio no Planalto", acrescentou.

O Ministério da Saúde informou na véspera que prepara um evento no início da próxima semana em Brasília para divulgar o começo da vacinação contra Covid-19 no Brasil.

A vacinação vai começar de forma simultânea em todas as capitais.

EXPECTATIVA DE VACINAÇÃO

Segundo Donizette, o ministério vai passar 80 milhões de doses até abril e a expectativa é que, com a necessidade de duas aplicações, 40 milhões de brasileiros sejam imunizados até lá.

O presidente da FNP disse ainda que não vai faltar seringa nem agulha para a imunização.

"Os municípios estão preparados e aqueles que por ventura tiverem alguma dificuldade nós já deixamos um canal aberto. O ministério já comprou 30 milhões de seringas e agulhas para apoiar algum município ou Estado que tenha alguma dificuldade", afirmou.

Donizzette afirmou que a compra desses insumos será feita de forma unificada pelo governo federal.

"A gente tem município com mais dinheiro e menos dinheiro, não seria justo com o brasileiro fazer essa diferenciação. Então será uma compra centralizada pelo governo federal", disse.

O Ministério da Saúde ainda não se manifestou oficialmente sobre o assunto.