Brasil declara sua 'volta' à região e agradece solidariedade após ataques em Brasília

"O Brasil está de volta à região", disse nesta terça-feira (24) o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cúpula de presidentes da Celac em Buenos Aires, durante a qual agradeceu a solidariedade de seus vizinhos após os ataques às sedes dos Três Poderes em Brasília.

"O Brasil está de volta à região e pronto para trabalhar lado a lado com todos vocês, com um sentido muito forte de solidariedade e proximidade", declarou o petista em seu discurso na VII Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

"O Brasil volta a olhar para seu futuro com a certeza de que estaremos associados aos nossos vizinhos bilateralmente, no Mercosul, na Unasul e na Celac", afirmou o presidente, que impulsiona o retorno do Brasil aos fóruns internacionais diplomáticos e econômicos, à imagem e semelhança do que promoveu durante seus primeiros mandatos entre 2003 e 2010.

O veterano político de 77 anos, que assumiu a Presidência pela terceira vez em 1º de janeiro, destacou as "múltiplas crises" que o mundo enfrenta, da pandemia à mudança climática, as tensões geopolíticas e a insegurança alimentar, além das ameaças à democracia.

"Tudo isso [ocorre] em um quadro inaceitável de aumento das desigualdades, da pobreza e da fome", afirmou Lula, que foi o único presidente que decidiu divulgar seu discurso no âmbito de uma cúpula fechada.

Lula aproveitou para "agradecer a todos" pelo apoio às instituições brasileiras após os ataques de apoiadores radicais do ex-presidente Jair Bolsonaro, que invadiram as sedes dos Três Poderes em Brasília em 8 de janeiro.

"Somos uma região pacífica, que repudia o extremismo, o terrorismo e a violência política", sustentou Lula, que defendeu o reforço do "multilateralismo".

Nesse sentido, considerou "essenciais o desenvolvimento e o aprofundamento dos diálogos com sócios extrarregionais, como a União Europeia, a China, a Índia", entre outros.

A cúpula da Celac, um mecanismo criado em 2010 promovido pelo Brasil durante a Presidência de Lula, reúne em Buenos Aires 14 líderes da região, com algumas ausências notórias como a do mexicano Andrés Manuel López Obrador e o venezuelano Nicolás Maduro, que, após ser denunciado à Justiça argentina por organizações civis e privadas, informou que não viajaria ao país.

mr/dga/jc/rpr