Brasil deve receber 10,6 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 pela Covax no primeiro semestre de 2021

Raphaela Ramos
·1 minuto de leitura
Fotoarena / Agência O Globo

RIO — A aliança global Covax anunciou nesta quarta-feira (3) que o Brasil deve receber 10,6 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford no primeiro semestre deste ano, por meio do consórcio.

A iniciativa, coordenada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com a Aliança Mundial para Vacinação Gavi e a Coalizão de Inovações em Preparação para Epidemias (CEPI), visa acelerar o desenvolvimento e universalizar o acesso aos imunizantes contra a Covid-19.

A entrega está estimada para começar no final de fevereiro. A Covax destaca que o valor é um indicativo de distribuição, mas está sujeito a possíveis alterações.

No sábado (30), o Ministério da Saúde informou que o Brasil receberia de 10 a 14 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca por meio da Covax em meados de fevereiro. No entanto, após o Valor Econômico revelar que o país não receberia as doses de uma só vez este mês, o Ministério confirmou ao GLOBO na segunda-feira (2) que "a entrega se dará ao longo do período entre fevereiro e julho", sem informar mais detalhes sobre o processo.

Ao aderir à iniciativa, o governo brasileiro optou por contratar doses de vacinas para o equivalente a 10% da população brasileira, no total de 42,5 milhões de doses, considerando duas por pessoa. De acordo com a previsão de distribuição da Covax, o país vai receber apenas um quarto desse total no primeiro semestre deste ano.

A matéria está em atualização.