Brasil deve ter a 14ª maior taxa de desemprego do mundo em 2021

·1 minuto de leitura

O Brasil deverá registrar em 2021 a 14ª maior taxa de desemprego do mundo, 14,5%, segundo levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating, a partir das novas projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) para a economia global.

De acordo com o ranking de 100 países, a taxa de desemprego no Brasil deverá ultrapassar a de países como Colômbia, Peru e Sérvia, caminhando na contramão da taxa média global, cuja estimativa é de recuo para 8,7% este ano, ante 9,3% no ano passado.

Leia também

Em 2020, o Brasil ocupou na 22ª colocação do ranking, que desde 2016 compara os índices oficiais dos países e as projeções do FMI. Em 2019, o Brasil ficou na 15ª posição. Em 2016, estava na 27ª colocação.

Pelas projeções do FMI, a África do Sul seguirá com a pior taxa mundial (29,7%), seguida pelo Sudão (28,4%) e pela Cisjordânia e Faixa de Gaza (25,1%). O país com o menor desemprego deverá ser a Tailândia (1,5%).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa média de desemprego no país em 2020 foi de 13,5%, a maior da série iniciada em 2012.

De acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), o desemprego ficou em 14,2% no trimestre encerrado em janeiro, a maior taxa já registrada para o período, atingindo o número recorde de 14,3 milhões de brasileiros desempregados.