Brasil e Argentina querem criar moeda sul-americana

Brasil e Argentina, de Lula e Fernández, planejam criar moeda comum para a América do Sul
Brasil e Argentina, de Lula e Fernández, planejam criar moeda comum para a América do Sul

Brasil e Argentina Argentina pretendem criar uma moeda comum sul-americana para transações comerciais. O anúncio foi feito pelo jornal portenho Perfil na véspera do encontro entre os dois líderes. É a primeira viagem internacional de Lula desde que tomou posse para seu terceiro mandato.

'Pretendemos quebras as barreiras em nossas trocas, simplificar e modernizar as regras e incentivar o uso de moedas locais. Também avançamos nas discussões sobre uma moeda sul-americana comum que possa ser usada tanto para fluxos financeiros quanto comerciais, reduzindo custos operacionais e nossa vulnerabilidade externa", pontuaram no artigo conjunto Lula e Alberto Fernández.

A moeda, que deve se chamar sur (sugerido pelo Brasil), não irá substituir o real ou o peso argentino, mas sim ser uma alternativa para as transações comerciais não ficarem dependentes do dólar.

Caso seja criada, a moeda viria a ser a segunda maior para um bloco econômico, perdendo apenas para o euro, já que outros países da região devem adotá-la no futuro

O caminho para a adoção é longo ainda. Segundo o Estadão, especialistas, afirmaram que discrepâncias entre as economias podem dificultar esse projeto.

No ano passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e seu secretário-executivo, Gabriel Galípolo, escreveram um artigo defendendo uma moeda comum para impulsionar o comércio sul-americano. Haddad chegou a se irritar quando questionado por jornalistas sobre a criação da moeda comum após se reunir com o embaixador argentino, Daniel Scioli, para discutir o tema. "Não existe proposta de moeda única do Mercosul, vai se informar primeiro", disse Haddad na época.

Como estão sendo os primeiros dias do governo Lula?