Brasil empata com Argentina (0-0), que se garante na Copa-2022 graças a derrota do Chile

·4 min de leitura
O argentino Lionel Messi (C) é marcado pelo brasileiro Alex Sandro (à esq.) e Gabriel Jesus (AFP/Andres Larrovere)

O Brasil, já classificado e sem Neymar, empatou em 0 a 0 com a Argentina, que está ainda mais perto da classificação para a Copa do Mundo do Catar-2022.

A partida acirrada e com poucas chances claras de gols, com um Lionel Messi apagado, foi disputada diante de cerca de 25 mil torcedores no estádio Bicentenário, na cidade de San Juan.

"Sabíamos que o Brasil é sempre um adversário difícil. Teve muito atrito. Cheguei com apenas o suficiente. Preciso pegar o ritmo. Eu estava parado há muito tempo. Estávamos convencidos de que podíamos vencer. Agora estamos mais próximos do Mundial", afirmou o artilheiro e capitão albiceleste.

No momento em que restam apenas 12 pontos em disputa, o Brasil lidera com 35 pontos enquanto a Argentina vem em segundo, com 29.

As duas seleções seguem invictas e ainda têm um jogo pendente devido à suspensão do confronto em São Paulo por causa da invasão de campo de agentes sanitários anticovid-19.

- Pressão, luta e nervos -

Sem Neymar, a seleção brasileira apostou na habilidade de Rapinha, a ousadia de Vinicius Jr. e o poder de fogo de Matheus Cunha. Mas as incursões ofensivas foram raras.

Já a Argentina tentava romper as sólidas linhas defensivas brasileiras por meio de Messi, Ángel Di María e Lautaro Martínez. Mas Messi estava apático, com dificuldade de se livrar da marcação e de manter a bola.

A chave para uma partida sem brilho foram os esquemas de controle e pressão organizados pelos técnicos Tite e Lionel Scaloni.

A dinâmica das equipes foi jogar duro, sem correr riscos, não dando um centímetro de vantagem. Um respeito mútuo exagerado que acabou gerando uma partida truncada em que jogadores como Leandro Paredes, Fred e Lucas Paquetá foram neutralizados.

Rodrigo De Paul e Fabinho também tinham dificuldades de encontrar espaços em um jogo marcado pela luta pela posse de bola.

As defesas venceram todos os duelos que surgiram. Assim como Cristian Romero e Nicolás Otamendi travaram os eventuais avanços na direção do gol de Emiliano Martínez, na outra meta a tarefa foi bem executada por Éder Militão e Marquinhos. As laterais foram fechadas de um lado pela dupla Nahuel Molina-Marcos Acuña e do outro por Danilo e Alex Sandro.

Apenas um chute isolado de meia distância de De Paul forçou uma defesa de Alisson. Matheus Cunha quase fez um golaço em um disparo de 35 metros, que passou por cima da trave quando Martínez estava adiantado. Em um rebote, Fred também tentou um chute que raspou a trave. Mas foi pouco.

- Mudanças sem efeito -

A Argentina se salvou de perder um zagueiro. Otamendi deu uma cotovelada no rosto de Rapinha. Nem o árbitro uruguaio Andrés Cunha nem o VAR detectaram em uma falta que era para cartão vermelho direto.

O técnico Tite manifestou sua indignação após o jogo: "Vou falar o que falei no vestiário para a arbitragem. E vou assumir. O Cunha é um extraordinário árbitro, a qualidade técnica e percepção deles são altíssimas, um aspecto disciplinar muito alta, mas arbitragem exige uma equipe de trabalho. Quem está no VAR?".

O outro zagueiro, o mais seguro, deixou o campo devido a uma lesão. Scaloni já havia tentado deslocar o tabuleiro ofensivo quando Lisandro Martínez, Joaquín Correa e Julián Álvarez entraram.

Tite também providenciou uma mudança tática. O Brasil avançou cerca de 20 metros em campo e assustou. As entradas de Antony, Gerson e Gabriel Jesus buscavam tirar o zero do placar. Mas não surtiram o efeito desejado.

Messi continuou lento e desconectado. Sua equipe não é mais Messi-dependente. Mas nesta noite, em que ele se mostrou apagado, o time parece ter sentido. Ele só apareceu com um único chute a gol, no fim da partida.

Apesar do 0 a 0, as duas seleções deixaram o campo aparentemente satisfeitas.

"A medida que transcorriam as partidas, a equipe ia se consolidando e vimos que podia se classificar", disse Scaloni após o jogo.

“Sabíamos que estas eliminatórias eram tremendamente difíceis. O resultado final é consequência da vontade dos jogadores de lá estarem, de ninguém ter posição garantida e de que os momentos difíceis foram superados", acrescentou.

--- Jogos da 14ª rodada das eliminatórias sul-americanas para a Copa-2022:

- Terça-feira:

Bolívia - Uruguai 3 - 0

Venezuela - Peru 1 - 2

Colômbia - Paraguai 0 - 0

Argentina - Brasil 0 - 0

Chile - Equador 0 - 2

Classificação: Pts J V E D Gp Gc SG

1. Brasil 35 13 11 2 0 27 4 23

2. Argentina 29 13 8 5 0 20 6 14

3. Equador 23 14 7 2 5 23 13 10

4. Colômbia 17 14 3 8 3 16 17 -1

5. Peru 17 14 5 2 7 15 20 -5

6. Chile 16 14 4 4 6 15 16 -1

7. Uruguai 16 14 4 4 6 14 21 -7

8. Bolívia 15 14 4 3 7 20 28 -8

9. Paraguai 13 14 2 7 5 9 18 -9

10. Venezuela 7 14 2 1 11 9 25 -16

--- Seleções classificadas para a Copa-2022:

- Catar (país-sede)

- Brasil

- Argentina

- Alemanha

- Inglaterra

- Bélgica

- Croácia

- Dinamarca

- Espanha

- França

- Holanda

- Sérvia

- Suíça

./bds/dm/ol/aam

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos