Brasil faz homenagens a Pelé e lembra alegria que ídolo deu ao país

Fãs de Pelé se abraçam em Santos, sede do time que revelou jogador

SÃO PAULO/SANTOS (Reuters) -O Brasil lamentava nesta sexta-feira a morte de uma de suas estrelas mais brilhantes, a lenda do futebol Pelé, que morreu aos 82 anos após lutar contra um câncer de cólon por pouco mais de um ano.

Do lado de fora do hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde Pelé estava sendo tratado, fãs se reuniram para homenagear o rei do futebol, exibindo lembranças de Pelé em um varal na entrada.

"Jamais esquecerei, o rei do futebol brasileiro", disse Antonio da Paz, de 67 anos. "Ele nos transmitiu alegria mesmo em nossos momentos mais tristes."

A morte de Pelé uniu o país depois de uma eleição polarizada e tensa. O presidente Jair Bolsonaro, que deixa o cargo no domingo, declarou três dias de luto. "Poucos brasileiros levaram o nome do nosso país tão longe", disse o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, que toma posse no domingo.

Monumentos foram iluminados para homenagear o tricampeão mundial com a seleção, incluindo a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e o estádio do Corinthians, em São Paulo, onde foi disputada a partida de abertura da Copa do Mundo de 2014.

Edson Arantes do Nascimento morreu na quinta-feira às 15h27 "em decorrência da falência de múltiplos órgãos, resultado da progressão do câncer de cólon associado à sua condição clínica prévia", informou o hospital em um comunicado.

O velório de Pelé será na segunda-feira, e acontecerá na Vila Belmiro, estádio do Santos, clube em que atuou por quase toda carreira, sediado no litoral paulista, a 72 km da capital.

Do lado de fora da Vila Belmiro, a movimentação nesta sexta-feira era apenas de jornalistas, cinegrafistas e fotógrafos em uma manhã nublada e chuvosa em Santos.

Do lado de dentro, funcionários montaram a estrutura para o velório e no placar eletrônico a mensagem "Obrigado, Pelé", ao lado de uma coroa para homenagear o rei do futebol.

A organização prevê que o velório se estenda até terça pela manhã, quando um cortejo com seu caixão passará pelas ruas de Santos, terminando no cemitério Memorial Necrópole Ecumênica, em cerimônia reservada aos familiares.

Mais de 5 mil pessoas passaram nesta sexta pelo Museu Pelé, em Santos, entre 9h e 18h, um recorde para um único dia, segundo a assessorida do museu.

Segundo duas fontes do entorno do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, o petista cogita ir ao velório na manhã de terça-feira, mas a decisão final ainda não foi tomada.

(Reportagem de Sergio Queiroz e Gabriel Araújo em São Paulo, Lais Morais, Eduardo Simões e Leonardo Benassatto em Santos, Lisandra Paraguassu, em Brasília)