Brasil ganha 1 ouro e 3 bronzes no melhor dia olímpico e chega perto do recorde da Rio-2016

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 25.06.2021 - Retrato das velejadoras Kahena Kunze e Martine Grael, dupla bicampeã olímpica nos Jogos Olímpicos de Tóquio. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***ARQUIVO***RIO DE JANEIRO, RJ, 25.06.2021 - Retrato das velejadoras Kahena Kunze e Martine Grael, dupla bicampeã olímpica nos Jogos Olímpicos de Tóquio. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A bordo do tsuru, barco batizado com o nome de uma ave que no Japão simboliza a boa sorte, a fortuna e a longevidade, Martine Grael e Kahena Kunze levaram o ouro na vela e ajudaram o Brasil a ter seu melhor dia olímpico até aqui.

É tetra: a delegação brasileira ganhou quatro medalhas na madrugada desta terça (3), com o triunfo no mar e os bronzes de Thiago Braz no salto com vara, Alison dos Santos nos 400m com barreiras e Abner Teixeira no boxe.

Nas Olimpíadas jogadas em casa, a Rio-2016, as 19 medalhas do Brasil garantiram o recorde nacional de pódios em Jogos. Cinco anos e uma pandemia depois, as bicampeãs Grael e Kunze descolaram o terceiro ouro e a 14ª condecoração brasileira a cinco dias do fim de Tóquio-2020.

Outras três, contudo, já estão no papo. O boxeador Hebert Conceição já avisou que sua meta é "mudar a cor" da medalha. Após vencer o rival cazaque no domingo (1º), assegurou que ao menos o bronze já leva para a casa.

A colega de luvas Beatriz Ferreira também já sabe que subirá ao pódio desde que venceu, nesta terça, a pugilista do Uzbequistão. Agora é favorita para o topo.

À seleção masculina de futebol é uma ou outra, prata ou ouro. Com a vitória sobre o México nos pênaltis, está na final.

Quando ganhou seu bronze, Abner Teixeira disse ao SporTV o que achava sobre a conquista. "Isso vai ficar chato de dizer na televisão, mas tô puto, né? Ninguém gosta de perder, especialmente eu, odeio perder."

Isso porque conseguiu sua medalha. O "tão perto, tão longe" doeu mais nas duplas Isaquias Queiroz e Jacky Goldman, quarto lugar na canoagem, e Ana Patrícia e Rebecca, eliminadas nas quartas de final do vôlei de praia.

Na ginástica artística, Flávia Saraiva bambeou na final e por pouco não caiu do aparelho. A atleta, que havia torcido o tornozelo no começo das Olimpíadas, terminou em sétimo lugar. O Brasil foi bem na modalidade, com o ouro e a prata de Rebeca Andrade. Nesta terça, bateu na trave.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos