Brasil não atingiu 50% do público-alvo vacinado contra a gripe; crianças, gestantes e puérperas estão entre os mais atrasados

Embora o inverno tenha início nesta terça-feira, período que é mais propenso para a circulação de vírus respiratórios, a cobertura vacinal contra a gripe não atingiu nem 50% do público-alvo no Brasil. Segundo dados da plataforma LocalizaSUS, do Ministério da Saúde, entre os mais atrasados estão as gestantes e puérperas, com menos de 35% do grupo vacinado, e as crianças de até 5 anos, com menos de 45% – bem abaixo da meta de 90%.

'Vivi o horror': Luciano Szafir fala em entrevista exclusiva sobre as três internações por Covid e o risco de morrer da doença

Novo estudo de pesquisadores brasileiros: Teste de equilíbrio feito em casa mostra se uma pessoa corre maior risco de morte; entenda

Herpes-zóster: Novo imunizante contra a doença chega ao Brasil e impulsiona discussão sobre vacinação

O cenário preocupa especialistas, uma vez que os grupos considerados de maior risco para a doença – e que portanto são priorizados na campanha de vacinação – estão mais suscetíveis a formas graves caso sejam infectados, explica o infectologista Estevão Urbano, presidente da da Sociedade Mineira de Infectologia (SMI).

— A gripe nesses grupos de risco pode provocar quadros severos e eventualmente fatais, que são prevenidos com a vacina. Além disso, ela reduz o contágio para outras pessoas, então trata-se de uma proteção individual e coletiva. Nesses grupos ela de fato salva vidas, os número de mortes anuais pela gripe estão diretamente relacionados à não vacinação — alerta o especialista.

A situação é ainda mais delicada com as baixas temperaturas, que levam ao acúmulo de pessoas em locais fechados e o consequente aumento nos casos de doenças respiratórias.

— Nós temos uma sazonalidade bem clara nos vírus respiratórios, com um aumento de circulação nesses meses mais frios. Então é fundamental que as pessoas atrasadas procurem se vacinar o quanto antes. A campanha começa no início do ano justamente para que nesses meses as pessoas já estejam protegidas — explica o infectologista André Giglio Bueno, do Hospital PUC Campinas, em São Paulo.

'Comportamento de manada' : Psiquiatras estudam mecanismos do fenômeno em humanos; entenda

Em relação apenas aos grupos considerados prioritários, que somam 54,8 milhões de pessoas, a cobertura nesta terça-feira está em 52,3%. São eles idosos, trabalhadores da saúde, gestantes, puérperas, indígenas, professores e crianças.

Porém, a população-alvo da campanha inclui ainda mais 23,2 milhões de brasileiros, como pessoas com comorbidades e deficiências, motoristas de transporte coletivo, pessoas privadas de liberdade, Forças Armadas, entre outros. Nestes , apenas cerca de 4,3 milhões foram vacinados – 18,6%.

No total, o público-alvo da vacinação contra o vírus Influenza, causador da gripe, envolve 77,9 milhões de brasileiros considerados em maior risco de contrair a doença, porém apenas cerca de 35 milhões foram imunizados – 45%.

Duchinha, lenço umedecido ou papel higiênico: Qual a forma correta de limpar a região segundo especialistas?

“É muito importante que todos os brasileiros que fazem parte dos grupos prioritários procurem um posto de vacinação. Ano passado, tivemos um surto em várias regiões do País por conta da cepa H3N2. A vacina deste ano já protege contra essa e as cepas passadas. Precisamos combater essas doenças. A vacinação vai impedir a proliferação dos vírus e evitar que tenhamos maior pressão sobre o sistema de saúde”, alertou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em comunicado.

Aumento de FOMO: Sensação de estar ‘por fora’ é mais intensa após dois anos de pandemia? Entenda por que você não está sozinho

Os percentuais de cobertura, no entanto, estão longe do ideal para garantir uma proteção coletiva destes grupos contra a doença, que deveria chegar a pelo menos 90% segundo a meta preconizada pelo Ministério da Saúde. E o motivo não é falta de vacina – ao todo, a pasta já distribuiu cerca de 80 milhões de doses aos estados, o suficiente para contemplar toda a população-alvo.

— Um dos principais motivos pode ser o protagonismo da Covid-19, que leva a uma negligência de outras doenças. Como a Covid ocupa a maior parte das comunicações de saúde no contexto atual, acaba ficando difícil fazer uma divulgação em massa de outros problemas. Acho que isso é o principal, porque o interesse pela vacina é algo cultural nosso — afirma o infectologista do Hospital PUC Campinas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos