Brasil não sabe o que é ditadura ainda, diz Bolsonaro ao comentar ligação de líder húngaro

jose lucena/Futura Press

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse ter conversado por telefone com o primeiro-ministro húngaro Vikor Orbán na manhã desta segunda-feira (19).

Segundo o capitão da reserva, Orbán, uma das principais lideranças de direita da Europa, o parabenizou pela vitória e disse ter intenção de selar novas parcerias comerciais com o Brasil.

“Se trata de um povo que sofreu muito com comunismo no passado. O povo brasileiro não sabe o que é ditadura aqui ainda, não sabe o que é sofrer nas mãos dessas pessoas. E ele está muito feliz com a nossa eleição e teremos grande parceira no futuro”, afirmou o capitão da reserva.

Sobre o fato de o Parlamento Europeu ter aprovado uma sanção, em setembro, contra Orbán por “violação grave aos valores europeus”, Bolsonaro disse que concorda com o endurecimento das normas migratórias no Brasil, assim como foi feito na Hungria.

Bolsonaro afirma frequentemente que o Brasil não viveu uma ditadura entre 1964 e 1985, mas, sim, um “regime com autoridade”.

Ao votar a favor do impeachment de Dilma Rousseff, por exemplo, homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, reconhecido pela Justiça de São Paulo como torturador durante o regime militar.