Brasil passa das 420 mil mortes pela Covid-19, mostra consórcio de imprensa

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP,  02.11.2020 - Cemitério Vila Formosa, zona leste de São Paulo, local que recebe centenas de vítimas da Covid-19. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 02.11.2020 - Cemitério Vila Formosa, zona leste de São Paulo, local que recebe centenas de vítimas da Covid-19. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou 2.091 mortes pela Covid e 63.268 casos da doença, neste sábado (8), segundo dados das secretarias estaduais de saúde. O país, assim, chega a 421.484 óbitos e a 15.150.628 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

A média de mortos por dia na última semana, a chamada média móvel continua elevada: 2.131 óbitos por dia em média. Assim, o país completa 53 dias com média acima de 2.000 mortes por dia e 108 dias acima de 1.000. A média móvel é um instrumento estatístico que busca amenizar variações nos dados, como os que costumam acontecer aos finais de semana e feriados. O dado é calculado pela soma das mortes dos últimos sete dias e pela divisão do resultado por sete.

Os dados do país, coletados até as 20h, são fruto de colaboração entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diariamente com as secretarias de Saúde estaduais

Foram atualizadas também as informações repassadas sobre a vacinação contra a Covid-19 por 22 estados e o Distrito Federal.

Neste sábado, foram registradas 321.318 primeiras doses aplicadas da vacina contra a Covid e 137.553 segundas doses. O Brasil tem enfrentado dificuldades nas aplicações de segundas doses. Nesta semana, mais da metade das capitais tinha falta de Coronavac para 2ª dose.

Com os dados vacinais deste sábado, 17% da população com mais de 18 anos recebeu a 1ª dose da vacina contra a Covid e 8% recebeu a segunda.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes.

Números oficiais do governo federal apontam para 421.316 mortos (com 2.202 novas mortes nas últimas 24 horas) e 15.145.87 casos confirmados (sendo 63.430 nas últimas 24 horas) até este sábado pela doença.