Sem noção de prioridades, Brasil ajusta seu relógio com o atraso

Matheus Pichonelli
·3 minuto de leitura
Crosses, balloons and Brazilian flags are seen at Copacabana beach, placed by members of the NGO Rio de Paz in tribute to the 100,000 victims of the coronavirus disease (COVID-19) in the country, in Rio de Janeiro, Brazil August 8, 2020. REUTERS/Ricardo Moraes     TPX IMAGES OF THE DAY
ONG Rio de Paz faz homenagem às vítimas da covid-19 em agosto de 2020. Ricardo Moraes/Reuters

Em janeiro de 2020, cerca de três meses antes do anúncio, pela Organização Mundial da Saúde, da pandemia de covid-19, pesquisadores chineses já haviam disponibilizado a sequência genética do coronavírus para estudos O mapeamento permitiu aos cientistas darem o primeiro pontapé em direção ao desenvolvimento da(s) vacina(s).

Em março, as empresas Pfizer e BionTech começaram a planejar a produção global de seu imunizante.

Entre 23 de abril e 4 de maio foram realizados os primeiros testes em humanos na Alemanha e nos EUA. Em maio a empresa chinesa Sinovac começou a busca por sua vacina.

Na inesquecível reunião de 22 de abril de 2020, Jair Bolsonaro e equipe mostraram seu senso de prioridade diante da pandemia que já dava mostras de que se tornaria um morticínio por aqui. Ele aproveitou o encontro para mandar dois de seus ministros assinarem uma portaria para armar a população contra prefeitos e governadores que insistiam em aplicar regras de distanciamento e isolamento social para conter a proliferação do vírus.

Leia também:

Na mesma reunião, Walter Braga Neto, da Casa Civil, dizia apostar alto na implementação de um certo Plano Marshall à brasileira do qual ninguém mais se lembra. E Paulo Guedes, o Posto Ipiranga da economia, falava em abrir cassinos, deixar os viciados em jogos se “foderem”, e idealizava uma espécie de “Bolsa Estrada” em que jovens receberiam cerca de R$ 200 para aprender a cantar o hino e construir rodovias Brasil afora.

Abraham Weintraub (Educação) queria prender ministros do STF e Ricardo Salles (Meio Ambiente) achou que era um bom momento para passar a boiada na floresta.

Prioridades.

No fim de abril o país tinha pouco mais de 6 mil mortes por Covid confirmadas.

Enquanto o mundo já se preparava para desenvolver uma vacina em tempo recorde, Jair Bolsonaro usou a reunião com seus ministros para anunciar mudanças no comando da Polícia Federal e demonstrava preocupação com o avanço de investigações sobre parentes e amigos. Comprou briga com Sergio Moro, ministro da Justiça que caiu atirando, e encontrou tempo para fritar seu titular da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Prioridades.

Tanto Mandetta quanto Nelson Teich, sucessor na Saúde que percebeu a encrenca e pediu o boné, se recusavam a apostar todas as fichas nas prioridades do presidente: sabotar os esforços pelo distanciamento social e incentivar que a vida voltasse à normalidade na base da bala e da cloroquina.

Nesta quinta-feira 11 a Folha de S.Paulo revelou que o governo, no auge da pandemia, destinou ao menos R$ 70,4 milhões para a produção de medicamentos sem comprovação científica até agora. Prioridades.

Onze meses e 235 mil mortos depois, sair às ruas ainda é risco de vida no país, e a noção de prioridade do governo, que hoje hesita em colocar de novo em campo o auxílio-emergencial, parece ter se espalhado.

No Congresso, onde Bolsonaro acaba de emplacar seus aliados no comando, há quem considere este um bom momento para mudar as regras e dar autonomia ao Banco Central.

Na Câmara, um dos primeiros atos do novo presidente, Arthur Lira (PP-AL), foi promover uma pequena reforma na Casa, mudando de lugar seu gabinete e mandando os jornalistas que trabalham no local para longe, em um espaço reduzido sem janelas em plena pandemia. Prioridades são prioridades.

Nesta semana, Lira avisou os líderes partidários que chegou a hora de discutir mudanças na lei eleitoral. É a brecha para que comecem a ser debatidas mudanças como a flexibilização da cláusula de barreira, a implantação do modelo distrital e até a volta do voto impresso, como quer o presidente.

De prioridade em prioridade, o país acerta seu timing em relação ao resto do mundo. Uns caminham para o futuro. Outros contam seus mortos, queimam as fichas em todos os cavalos errados e ajustam seus relógios com o atraso.