Brasil registra 23.081 casos e 465 mortes de Covid-19 no primeiro dia de 2021, diz boletim

Bruno Alfano
·2 minuto de leitura
Hermes de Paula / Agência O Globo

RIO - O Brasil registrou 23.081 casos e 465 mortes de Covid-19 no primeiro dia de 2021. Com isso, são 7.698.862 infectados e 195.441 vidas perdidas desde o início da pandemia, segundo boletim do consórcio de imprensa.

A iniciativa é formada por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações divulgadas pelas secretarias estaduais de Saúde em um boletim divulgado às 20h.

A média móvel de óbitos, também medida pelo levantamento, foi de 704, uma queda de 6% em relação a 14 dias atrás. A média móvel de casos, por sua vez, ficou em 35.891, uma redução de 24% comparada ao mesmo período.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Variante se espalha

Trinta e três países já anunciaram a descoberta da nova variante mais transmível do Sars-Cov-2, causador da Covid-19. Ela foi descoberta no Reino Unido e anunciada há menos de um mês, em 8 de dezembro.

A lista de países que identificaram infecções com a variante vem crescendo rapidamente. Ela inclui, além de Brasil, Estados Unidos, Grã-Bretanha e Turquia, Austrália, Bélgica, Canadá, Chile, China, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha , Islândia, Índia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Jordânia, Líbano, Malta, Holanda, Noruega, Paquistão, Portugal, Cingapura, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Suíça, Taiwan e Emirados Árabes Unidos.

Na África do Sul, uma versão semelhante do vírus surgiu, compartilhando uma das mutações vistas em B.1.1.7., de acordo com os cientistas que o detectaram. Essa variante , conhecida como 501.V2, foi encontrada em até 90% das amostras cujas sequências genéticas foram analisadas na África do Sul desde meados de novembro.

As autoridades britânicas disseram ter detectado dois casos da variante identificada na África do Sul. Em ambos os casos, as pessoas infectadas estiveram em contato com pessoas que viajaram da África do Sul para a Grã-Bretanha nas últimas semanas. Suíça, Finlândia, Austrália, Zâmbia e França também detectaram a variante.

E, em 24 de dezembro, o chefe dos Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças, John Nkengasong, anunciou a descoberta de outra variante, essa na Nigéria , chamada B.1.207.