Com transmissão novamente em alta, Brasil tem 35.294 novos casos de coronavírus

Por Gabriel Araujo
·2 minuto de leitura
Hospital de campanha no Rio de Janeiro (RJ) em meio à pandemia de coronavírus
Hospital de campanha no Rio de Janeiro (RJ) em meio à pandemia de coronavírus

Por Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil registrou nesta terça-feira 35.294 novos casos da doença provocada pelo novo coronavírus, com o total de infecções confirmadas atingindo 5.911.758, informou o Ministério da Saúde, no momento em que a taxa de transmissão volta a subir no país.

Também foram notificados 685 novos óbito em decorrência da Covid-19, o que eleva o total de mortes pela doença no país a 166.699, acrescentou a pasta.

Segundo o Imperial College de Londres, em dados publicados nesta terça-feira, a taxa de contágio da Covid-19 no Brasil atingiu 1,1 nesta semana, após permanecer por diversas semanas abaixo da marca de 1.

A taxa de 1,1 significa que cada 100 pessoas com o vírus contaminam outras 110, o que representa um aumento da disseminação da doença. Uma taxa abaixo de 1 representa uma desaceleração do contágio.

O Brasil é o segundo país com maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro em casos, abaixo dos EUA e da Índia.

São Paulo é o Estado brasileiro mais afetado pela Covid-19, tendo reportado nesta terça as marcas totais de 1.178.075 infecções e 40.749 óbitos, de acordo com os dados do Ministério da Saúde.

O Rio de Janeiro ocupa o segundo lugar entre os Estados com maior número de mortes pela doença, com o registro de 21.474 óbitos e 330.009 casos até o momento.

Na contagem de infecções confirmadas, porém, o Rio fica abaixo de Minas Gerais e da Bahia -- Minas soma 385.427 casos e 9.531 mortes, enquanto o Estado nordestino registrou 375.374 infecções e 7.989 óbitos.

O Brasil possui 5.361.592 pessoas recuperadas da doença e 383.467, ainda segundo o ministério.

Todos os Estados tiveram números atualizados nesta terça-feira em relação às cifras da véspera, embora a pasta siga enfrentando problemas técnicos, que começaram a afetar a inserção dos dados da pandemia no último dia 6.

No site em que as informações são publicados, o ministério mantém uma mensagem afirmando que "estamos com alguns problemas nos sistemas que podem levar a algum atraso na atualização dos dados, estamos trabalhando na correção".

Inicialmente a pasta mencionou a detecção de vírus em algumas estações de trabalho, mas depois reconheceu indícios de uma tentativa de ataques cibernéticos que a levou a bloquear o acesso às suas redes como medida de segurança.