Brasil registra 530 mortes por Covid-19, aponta consórcio de veículos de imprensa no boletim das 20h

Extra
·2 minuto de leitura
Foto: Gabriel de Paiva
Foto: Gabriel de Paiva

O Brasil registrou nesta terça-feira 530 mortes por Covid-19, segundo o boletim das 20h do consórcio de veículos de imprensa. Agora, o país totaliza 157.981 vidas perdidas para a doença. Foram detectados 29.353 novos casos de coronavírus, elevando para 5.440.903 o número de infectados pelo Sars-CoV-2. A média móvel de óbitos ficou em 442, a menor desde 6 de maio.

Covid-19: Estudo britânico indica que imunidade cai rapidamente e dura pouco

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

O consórcio de veículos de imprensa é formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até às 20h.

A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

O balanço apresentado pela pasta contabiliza novas 549 mortes por Covid-19, das quais 383 ocorreram nos últimos três dias. O total de vidas perdidas para a doença é de 157.946. Foram notificados 29.787 novos casos de coronavírus, elevando para 5.439.641 o número de infectados.

A Rússia anunciou, nesta terça-feira, que pediu aprovação do uso emergencial de uma de suas vacinas candidatas contra a Covid-19, a Sputnik V, à Organização Mundial de Saúde (OMS). A entidade divulgou critérios para avaliar candidatas para potencial uso de emergência no fim de setembro.

O fundo estatal russo que coordena a produção da vacina apresentou pedidos para registro acelerado na Lista de Uso de Emergência (EUL, na sigla em inglês) e pré-qualificação do imunizante.

O diretor do fundo, Kirill Dmitriev, comentou o pedido, afirmando que ele "permitirá que a Sputnik V seja incluída na lista de produtos médicos que atendem aos principais padrões de qualidade, segurança e eficácia".