Brasil registra 601 mortes por Covid em 24h, mostra consórcio de imprensa

·1 minuto de leitura
****ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 11.01.2021: Movimentação de cemitério São Luiz, em São Paulo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
****ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 11.01.2021: Movimentação de cemitério São Luiz, em São Paulo. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou 601 mortes pela Covid e 32.216 casos da doença, nesta segunda-feira (15). Com isso, o país chega a 239.895 óbitos e a 9.865.911 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados do país são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. Nos finais de semana e nas segundas-feiras os números costumam ser menores por causa dos plantões das pastas.

Além dos dados diários, a Folha de S.Paulo também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 1.092. A média tem se mantido acima de 1.000, o que representa um patamar bastante alto, mostrando que a pandemia está em ritmo acelerado.

O consórcio de imprensa também mostra que 5,2 milhões de pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, ou 2,5% da população, e 256 mil, a segunda.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.