Brasil registra 751 novas mortes por coronavírus em 24 h e bate recorde

RENATO MACHADO E RICARDO DELLA COLETTA

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Dados do Ministério da Saúde desta sexta-feira (8) apontam que o Brasil registrou 751 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas e bateu um novo recorde. É o quarto dia seguido com mais de 600 óbitos novos por dia —foram 610 na quinta (7), 615 na quarta (6), o maior número até então, e 600 na terça (5).

Com isso, chega a 9.897 o número de mortes pelo novo coronavírus confirmadas. O país também tem, ao todo, 145.328 casos confirmados de Covid-19.

São Paulo continua sendo o estado mais afetado do Brasil pelo novo coronavírus e tem, ao todo, 3.416 mortes por Covid-19 e 41.830 casos confirmados da doença.

O Rio de Janeiro tem 1.503 mortos e 15.741 registros de infecções. Na sequência, aparecem o Ceará, com 966 mortes e 14.956 caso; Pernambuco, com 927 vítimas e 11.587 infecções; e o Amazonas, com 874 óbitos e 10.727 casos confirmados desde o início da pandemia.

O Ministério da Saúde também informou que 59.297 pessoas se recuperaram da doença, o que representa 40,8% de total de infectados.

Os novos óbitos anunciados, porém, não necessariamente ocorreram nas últimas 24 horas —há um intervalo de tempo entre o registro do óbitos e a confirmação da infecção por coronavírus.

Do total de mortes, 260 foram confirmadas nos últimos três dias. As demais se referem a óbitos de dias anteriores, que apenas posteriormente tiveram a confirmação de infecção pelo coronavírus. Em um boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira, um gráfico informava que um dos óbitos por coronavírus confirmados nas últimas 24 horas ocorreu em 20 de março.

Em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (8) no Palácio do Planalto, técnicos do Ministério da Saúde informaram que estão trabalhando para que os registros sejam mais acurados, mas disseram que as equipes nos estados e municípios estão sobrecarregadas com os atendimentos, o que dificulta a atualização dos dados.

"Realmente, a gente ainda tem um atraso na confirmação de alguns óbitos", disse Eduardo Macário, diretor de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças da pasta. "A princípio, a gente imagina que a curva esteja baixando, mas isso pode ser uma informação equivocada, porque a planilha é atualizada à medida em que os óbitos são coletados e confirmados, considerando ainda que a gente tem um atraso."

O Ministério da Saúde informou que o dia em que mais mortes ocorreram foi, por enquanto, 23 de abril, com 290 óbitos confirmados em virtude da Covid-19.

Na quarta-feira (6) o Brasil superou a Bélgica e se tornou o sexto país com mais mortes no mundo, segundo a Universidade Johns Hopkins (EUA), que monitora dados da pandemia. Os cinco primeiros países com mais óbitos são EUA, Reino Unido, Itália, Espanha e França.

Segundo especialistas, os números reais no Brasil devem ser maiores, já que há baixa oferta de testes no país e subnotificação.