Brasil registra 87 mortes por Covid e mais de 7.000 casos

*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 22.01.2022 - Vacinação em crianças na UBS (Unidade Básica de Saúde) Nossa Senhora do Brasil, no bairro da Bela Vista, região central de São Paulo, no primeiro dia de imunização em crianças sem comorbidades. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 22.01.2022 - Vacinação em crianças na UBS (Unidade Básica de Saúde) Nossa Senhora do Brasil, no bairro da Bela Vista, região central de São Paulo, no primeiro dia de imunização em crianças sem comorbidades. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou, nesta terça-feira (20), 87 mortes por Covid e 7.676 casos da doença. Com isso, o país chega a 685.569 vidas perdidas e a 34.644.407 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

As médias móveis de mortes e casos permanecem em queda, em relação aos dados de duas semanas atrás. A média de óbitos --em redução há 17 dias consecutivos-- agora é de 73 por dia, queda de 30%. Já a média de infecções é de 7.578 ao dia (redução de 58%).

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Ao todo, 181.104.395 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen, são 170.558.436 pessoas com as duas doses ou com uma dose da vacina da Janssen.

Assim, o país já tem 84,3% da população com a 1ª dose e 79,39% dos brasileiros com as duas doses ou uma dose da vacina da Janssen.

Até o momento, 103.690.781 pessoas já tomaram a terceira dose, e 29.765.874 a quarta.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (PL), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes.