Brasil registra 99 mortes por Covid e mais de 4.000 casos

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 27.04.2021 - Vista aérea de quadra com covas abertas e holofotes para iluminar sepultamentos noturnos no Cemitério Vila Formosa, em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 27.04.2021 - Vista aérea de quadra com covas abertas e holofotes para iluminar sepultamentos noturnos no Cemitério Vila Formosa, em São Paulo. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou, nesta quinta-feira (8), 99 mortes por Covid e 4.099 casos da doença. Com isso, o país chega a 684.784 vidas perdidas e a 34.549.915 pessoas infectadas pelo coronavírus desde o início da pandemia.

A média móvel de mortes agora é de 83 por dia, redução de 45% em relação ao dado de duas semanas atrás. Já a média móvel de casos é de 8.249, o que indica queda também de 45% no mesmo período.

Amapá, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e Distrito Federal não registraram mortes nas últimas 24 horas. Acre, Maranhão e Tocantins não atualizaram os dados nesta quinta.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

Ao todo, 180.885. 511 pessoas receberam pelo menos a primeira dose de uma vacina contra a Covid no Brasil. Somadas as doses únicas da vacina da Janssen, já são 170.246.503 pessoas com as duas doses ou com uma dose da vacina da Janssen.

Assim, o país já tem 84,2% da população com a 1ª dose e 79,25% dos brasileiros com as duas doses ou uma dose da vacina da Janssen.

Até o momento, 102.919.084 pessoas já tomaram a terceira dose, e 28.674.847 a quarta.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (PL), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes.