Brasil registra mais de mil mortes por COVID-19 e se aproxima das 25.000

Funcionários de cemitério enterram caixão de pessoa falecida com COVID-19 no cemitério Vila Formosa, em São Paulo, 20 de maio de 2020

O Brasil registrou 1.039 mortes por COVID-19 nesta terça-feira (26), totalizando 24.512 óbitos pela pandemia, cujo epicentro agora está na América Latina.

Há quatro dias, o país com 210 milhões de habitantes é o que registra o maior número de mortes diárias, superando os Estados Unidos. Os dados americanos desta terça ainda não foram publicados.

O Ministério da Saúde reportou 16.324 novos casos da COVID-19, totalizando 391.222 diagnósticos.

Esta é a quarta vez que o Brasil registra mais de mil mortes em 24 horas desde que foi confirmada a primeira morte por COVID-19 no Brasil em 17 de março. O maior número de óbitos foi reportada em 21 de maio, com 1.188 mortes.

O Brasil é o segundo país com mais casos de COVID-19 no mundo e o sexto em número de mortos, embora especialistas afirmem que devido à falta de exames, a cifra de contágios pode ser até 15 vezes maiores.

Embora São Paulo, com 86.017 casos e 6.423 mortes, seja o epicentro da pandemia, proporcionalmente a doença se espalha com mais força nos estados do norte e do nordeste do país, como Amapá, Amazonas, Pará e Pernambuco.

A doença avança em um momento de crise política, aprofundada pela falta de articulação entre o presidente Jair Bolsonaro, que considera que a quarentena é letal para a economia, e a maioria dos 27 governadores se mostram favoráveis a medidas de confinamento para preservar a capacidade do sistema público de saúde.

As tensões provocaram a queda de dois ministros da Saúde em menos de um mês e a pasta está ocupada interinamente pelo general Eduardo Pazuello, desde meados de maio.

Desde sua primeira semana no posto, Pazuello incluiu o uso da hidroxicloroquina em pacientes com sintomas leves de COVID-19, atendendo a um pedido de Bolsonaro.

O ministério informou na segunda-feira que manterá a recomendação, apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter anunciado a suspensão dos testes clínicos com este medicamento por medida de segurança.