Brasil se mantém fiel ao Big Brother em sua 21ª edição

Louis GENOT
·4 minuto de leitura
Foto cedida pela TV Globo dos participantes do programa Big Brother, no Rio de Janeiro em 29 de março de 2021

Embora seja conhecido por suas telenovelas, o Brasil se mantém fiel ao 'reality show' Big Brother, que em sua 21ª edição continua atraindo milhões de telespectadores, inclusive o craque Neymar.

Quase diariamente, o astro do Paris Saint-Germain compartilha com seus seguidores no Twitter suas impressões sobre os participantes do "BBB" (Big Brother Brasil).

Nos primeiros 60 dias de programa, o BBB21 teve alcance médio diário de 39,9 milhões de pessoas, registrando média de 27 pontos de audiência e 50% de participação, batendo o recorde de audiência das sete edições anteriores e superando o BBB20 em 17% (+ 4 pontos) em relação ao mesmo período da temporada anterior.

Os números impressionantes fazem sua difusora, a TV Globo, esfregar as mãos com o bom negócio: a 21ª edição será a mais longa da história, com cem dias de programa e, sobretudo, a mais lucrativa.

As logos das marcas são onipresentes em todas as provas organizadas na "Casa mais vigiada do Brasil", a mansão com piscina onde os 'brothers' se isolam do mundo e superam desafios sob o escrutínio de 11 câmeras e microfones que os vigiam 24 horas por dia.

O valor de três peças publicitárias de 30 segundos é suficiente para pagar o prêmio final, de 1,5 milhão de reais, disputado pelos participantes.

Mas para além destas cifras impressionantes, o programa se tornou um verdadeiro fenômeno social, amplificado nos últimos anos pelas redes sociais.

Além dos famosos que acompanham as peripécias dos participantes, youtubers desconhecidos passaram a acumular fortunas, atraindo milhões de assinantes com seus comentários e análises do 'reality show'.

- Popular "como a Copa" -

"A cada ano, quando o BBB começa, se torna o principal tema de conversas, como a Copa do Mundo ou os Jogos Olímpicos", diz à AFP Laurens Drillich, presidente da Endemol Shine Latino, braço latino-americano dos produtores que criaram o conceito do Big Brother na Holanda, em 1999.

E como um gol feito na Copa, os fãs vibram em frente à televisão quando seus candidatos favoritos se salvam da eliminação.

"Temos um público apaixonado pelo programa. Vemos pessoas comemorando resultados de provas e paredões nas janelas e varandas Brasil afora. Isso nos dá uma motivação extra para colocar esse programa no ar de domingo a domingo", acrescenta o diretor-geral do Big Brother Brasil na Rede Globo, Rodrigo Dourado.

O bom desempenho do programa representou um alívio para a TV Globo, que devido à pandemia se viu obrigada a suspender durante quase um ano a produção de novelas, limitando-se a passar reprises no horário nobre.

"Não dá para pensar em BBB sem pensar no B de Brasil", explica o antropólogo Michel Alcoforado, sócio-fundador do Grupo Consumoteca.

"O BBB dá certo porque é um 'reality show' que consegue se conectar diretamente com a tradição brasileira das telenovelas, que sempre estiveram diretamente relacionadas com as causas do cotidiano, como um espelho da sociedade", afirma.

Mas diferentemente das novelas, neste programa é a audiência que escolhe o vencedor, através do voto popular.

- Temas sociais sobre a mesa -

Após dois anos de mandato do governo de Jair Bolsonaro, a sociedade brasileira está profundamente dividida e agora, enlutada, pelas mais de 300.000 mortes da pandemia, que também causa uma grave crise econômica em um país extremamente desigual.

Para Michel Alcoforado, "desde a entrada do Bolsonaro no governo, o que a gente observa é que há um esvaziamento da discussão no Brasil de maneira geral", com cada lado entrincheirado em sua posição.

Com uma abordagem mais leve, o "BBB retoma pautas que são fundamentais para a sociedade brasileira na mesa de jantar", afirma o antropólogo, enumerando o machismo, o racismo, a temática LGBT.

No entanto, o Big Brother Brasil nem sempre foi uma ode à diversidade.

"Antes, o perfil era muito padronizado. Todos os homens fortes, musculosos e mulheres de capa de revista", lembra Felipe Oliveira, homem negro de 34 anos que participou da oitava edição, em 2008.

"O BBB soube se reinventar. A sociedade mudou ao longo de 20 anos e o BBB soube se posicionar", afirma Oliveira, analista de relacionamentos do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), que luta pela igualdade racial no mundo corporativo.

"Quando participei do programa, teve uma determinada situação que fiquei 1h, 1h30 discutindo sobre ações afirmativas [para fomentar a igualdade racial]. Isso não passou na edição do programa. Hoje em dia cada vez que tem uma pauta mais delicada, como a LGBTfobia, acaba passando", conclui.

lg/pt/mel/mvv