Brasil segue com 165 mil mortes por Covid-19, mostra consórcio da imprensa

·3 minuto de leitura
****FOTO DE ARQUIVO***SÃO PAULO, SP. 19/06/2020. Sepultadores e parentes carregam caixão com vitima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, na zona leste de Sao Paulo. ( Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress )   ORG XMIT: AGEN2006191440730839
****FOTO DE ARQUIVO***SÃO PAULO, SP. 19/06/2020. Sepultadores e parentes carregam caixão com vitima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, na zona leste de Sao Paulo. ( Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress ) ORG XMIT: AGEN2006191440730839

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil registrou 23 mortes pela Covid-19 e 3.138 casos da doença no sábado (14). Com isso, o país chegou a 165.696 óbitos e a 5.848.239 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia. Os números foram atualizados às 20h de domingo (15).

Os dados são fruto de colaboração inédita entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

O jornal Folha de S.Paulo também divulga a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

A média de mortes nos últimos sete dias é de 484, o que representa um cenário de estabilidade em relação à média de 14 dias atrás. Nas últimas semanas, o país variou entre situações de queda da média e estabilidade. A média, porém, também foi afetada pelo recente apagão de dados de alguns estados.

O Brasil tem uma taxa de 78,6 mortos por 100 mil habitantes. Os Estados Unidos, que têm o maior número absoluto de mortos (245.040), e o Reino Unido (51.858), ambos à frente do Brasil na pandemia (ou seja, começaram a sofrer com o problema antes), têm 74,7 e 77,3 mortos para cada 100 mil habitantes, respectivamente.

O Brasil também já ultrapassou a taxa da Itália de mortes por 100 mil habitantes (73,1).

O México, que ultrapassou o Reino Unido em número de mortos e já contabiliza 97.624 óbitos, tem 77,4 mortes para cada 100 mil habitantes.

Na América do Sul, chama a atenção também o número de mortos por 100 mil habitantes do Peru: 109,6. O país tem 35.067 óbitos pela Covid-19.

A Índia é o terceiro país, atrás apenas de EUA e Brasil, com maior número de mortes pela Covid-19, com 128.668 óbitos. Lá, devido ao tamanho da população, a taxa proporcional é de 9,5 óbitos por 100 mil habitantes.

Na Argentina, onde a pandemia desembarcou nove dias mais tarde que no Brasil e que seguiu uma quarentena muito mais rígida, o índice é de 78,8 mortes por 100 mil habitantes (35.045 óbitos).

O Brasil registrou 921 novas mortes em decorrência do novo coronavírus entre a sexta-feira (13) e sábado (14), de acordo com boletim do Ministério da Saúde divulgado neste sábado (14). O país agora contabiliza um total de 165.658 óbitos desde o início da pandemia.

O boletim também mostra que foram registrados 38.307 novos casos confirmados da Covid-19 no período. O total de infectados agora chega a 5.848.959.

Desde o início da pandemia, 5.291.511 pessoas se curaram da doença.

O estado de São Paulo segue o mais afetado pelo novo coronavírus, com um total de 40.564 mortes causadas pela Covid 19.

Na sequência aparecem Rio de Janeiro (21.284 mortes), Minas Gerais (9.504), Ceará (9.439) e Pernambuco (8.815)