Brasil tem 1º caso suspeito de Coronavírus

Getty Images

O Ministério da Saúde confirmou o primeiro caso suspeito de Coronavírus no Brasil. Trata-se de uma paciente, internada em Minas Gerais, e que teria viajado para a cidade de Wuhan no período de circulação do vírus. A confirmação do caso suspeito elevou o grau da classificação de risco do País, fazendo com que o ministério passasse a orientar que viagens à China sejam feitas somente em casos extremos.

A confirmação foi feita pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, na manhã desta terça-feira (28), durante entrevista coletiva. A paciente é uma estudante de 22 anos que chegou em território brasileiro no dia 24 de janeiro e apresentou sintomas “compatíveis” com os da doença.

Leia mais sobre o surto do novo Coronavírus

“Esse é um momento de tranquilizar a população brasileira, pois é uma suspeita e não há nenhum caso confirmado de circulação no Brasil. Dois casos eram rinovírus, da gripe, e foram descartados. Há essa paciente e agora serão feitos os testes pertinentes”, afirmou o ministro.

No final da última semana, Minas Gerais já havia divulgado um caso suspeito de coronavírus. A suspeita era sobre uma mulher de 35 anos que também chegara de viagem diretamente da China, mas desta vez da cidade de Xangai. Ela foi internada no hospital Eduardo de Menezes, mas o Ministério da Saúde descartou que o caso se tratasse do novo vírus, com base em orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS). Posteriormente, a Secretaria Estadual de Saúde corroborou com o órgão federal.

ORIENTAÇÕES

O governo ainda vai analisar possíveis medidas para serem tomadas antes do Carnaval, quando o Brasil passa a ser destino de milhares de turistas vindos de diferentes partes do mundo.

“Informações em portos, aeroportos… Ano passado tivemos vários navios chegando com pessoas com sarampo. Nós não sabemos ainda, mas a maior parte dos turistas que vem pro Brasil nessa época são mais do Ocidente, tem menos turista asiático. Mas mesmo assim portos e aeroportos terão indicações, mas não temos nenhuma medida além das que estão sendo mencionadas, lavar as mãos, higiene… Mas nada específico sobre Carnaval”, afirmou Mandetta.

O ministro também determinou que, caso seja confirmado, as pessoas que tiveram contato com essa paciente desde sua saída da China serão monitoradas.

“Nossa vigilância em Saúde no Brasil é considerada um padrão bom, pela capacidade do SUS de ser municipal. Então qualquer rumor é avaliado, mesmo os menores rumores. Foram 7.020 rumores, o que era fato ou digno de avaliação tivemos 127 e desses 127, apenas um caso de monitoramento e investigação. Pessoas que tiveram contato com essa paciente estão sendo monitoradas, 14 pessoas neste momento. Se o caso confirmar, tem de ver o voo, os passageiros próximos. Mas nesse momento ninguém próximo está com sintomas”.

PERIGO IMINENTE

Com o primeiro caso suspeito no País, o Ministério da Saúde elevou a classificação de risco do Brasil para o nível 2, que significa “perigo iminente”. Até segunda-feira (27), o país estava em nível 1 de alerta. O ministro da Saúde afirmou que o governo federal "está preparado" para detectar o vírus.

“Perigo iminente é quando você tem um vírus novo, uma doença nova, que tem a transmissão confirmada em um país com grande circulação de pessoas. Perigo iminente é quando você tem um perigo iminente desse vírus circular em território nacional. Precisamos estar extremamente atentos”, detalhou Mandetta.

Confirmação foi feita durante entrevista coletiva concedida na manhã desta terça-feira. (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Na chegada ao Palácio da Alvorada após sua viagem à Índia, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que faria uma reunião com Mandetta para se manter a par sobre o Coronavírus no País. Na resposta, Bolsonaro fez menção a uma possível ocultação de dados por parte do governo da China.

“Não cabe ao Ministério da Saúde achar [se as informações vindas da China são ou não verdadeiras]. O que importa agora é que os números estão sendo atualizados quase de hora em hora, vemos que eles [China] estão fazendo esforço, enfim, é difícil a gente apontar o dedo nesta hora”

O ministro ainda anunciou uma reunião com secretários de Saúde dos estados e municípios para alinhar protocolos de atendimento no País.

O VÍRUS NA CHINA

Com 106 mortes já confirmadas e mais de 4.500 pessoas infectadas na China, vários países, como Estados Unidos, França e Japão, estão se mobilizando para retirar seus cidadãos de Wuhan, região que é o epicentro da epidemia de Coronavírus.

Wuhan, cidade do centro do país que onde o novo Coronavírus foi detectado em dezembro, e quase toda a província de Hubei estão isoladas do mundo desde quinta-feira por ordem das autoridades para tentar frear a epidemia. Quase 56 milhões de habitantes estão confinados.

A cidade de Pequim informou na segunda-feira a primeira morte provocada pelo Coronavírus, um homem de 50 anos que retornara de Wuhan. Outros 50 pacientes foram registrados no resto do mundo e mais de 10 países foram afetados pelo vírus, na Ásia, Austrália, Europa e América do Norte.

Nesta terça, representantes do Ministério da Saúde vão se participar de uma com a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o tema. Na segunda-feira, a OMS voltou atrás e reconheceu como ameaça "alta", mas sem ativar um alerta de saúde internacional.