Brasil tem 3.157 mortes de Covid-19 nas últimas 24h e passa de 381 mil óbitos na pandemia

Bruno Alfano
·3 minuto de leitura

RIO — O Brasil registrou nesta segunda-feira 3.157 mortes por Covid-19, segundo o boletim de consórcio de veículos de imprensa. O país totaliza 381.687 vidas perdidas para o novo coronavírus. A média móvel foi de 2.787 óbitos, a mesma de duas semanas atrás.

Desde às 20h de terça, 71.231 novos casos foram notificados pelas secretarias de saúde, totalizando 14.122.116 infectados pelo Sars-CoV-2. A média móvel foi de 63.369 diagnósticos positivos, também o mesmo de 14 dias atrás.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Dezoito estados atualizaram seus dados sobre vacinação contra a Covid-19 nesta quarta-feira. Em todo o país, 27.523.231 pessoas receberam a primeira dose de um imunizante, o equivalente a 13,00% da população brasileira. A segunda dose da vacina, por sua vez, foi aplicada em 10.947.310 pessoas, ou 5,17% da população nacional.

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

Grupos prioritários até setembro

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira que a vacinação dos grupos prioritários contra Covid-19 deve ser concluída somente em setembro. A previsão traz um atraso de quatro meses em relação ao que foi previsto pelo ex-ministro Eduardo Pazuello, que estipulava que em maio os grupos prioritários do Programa Nacional de Imunizações (PNI) seriam concluídos. Questionado sobre o motivo da mudança, Queiroga afirmou que não se deve ficar "contando dose de vacina". Segundo ele, atrasos nas entregas de fornecedores como o consórcio Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS), e problemas nas remessas de insumos utilizados na produção atrapalharam o cronograma.

— O calendário é sujeito às entregas. Covax Facility é uma iniciativa da OMS, o que ocorre? Covax Facility não nos entrega o que foi acordado. Insumos que vêm de outros países, há uma carência nesses insumos. Isso não é uma questão do Brasil, é uma questão mundial. Não ter atingido a meta dos 78 milhões se deve a esses aspectos. Aos aspectos regulatórios. O Ministério da Saúde não vai colocar vacinas que não sejam aprovadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) — afirmou.

Na terça-feira, o governo anunciou negociações para a compra de 100 milhões de doses extras da vacina da Pfizer. Caso o contrato seja fechado, no entanto, as doses chegarão somente no ano que vem. O ministro não falou que outras alternativas há para resolver o gargalo da vacinação no país e disse que é preciso "deixar de ver só problema".

— O que é concreto é que o Brasil é o quinto país que mais vacina. É importante. E em relação à população é o nono. E o Brasil é um dos países que produz vacina. Temos um contrato de transferência de tecnologia. Temos pontos muito positivos, e isso que é importante. E vocês nos ajudam muito a tranquilizar nossa população. Temos duas indústrias nacionais, é um patrimônio de cada um dos brasileiros, que são o Butantan e a Fiocruz. Vamos deixar de ver só problema, porque a gente está aqui para dar solução à nossa população. Não fica com essa coisa de (ficar) contando dose de vacina, vamos vacinar a população brasileira.