Brasil tem 7 mortes, Witzel vai isolar o Rio, e mais 10 notícias importantes desta quinta-feira sobre o coronavírus

1 / 4

ei.jpg

RI Rio de Janeiro (RJ) 18/03/2020 - Entrevista com o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel no seu gabinete no Palácio Guanabara

RIO - São 621 pessoas infectadas, sete mortes e seis locais com transmissão comunitária. Este é o panorama da expansão do coronavírus pelo Brasil na noite desta quinta-feira. No Estado do Rio, onde foi confirmada a segunda morte por Covid-19, o governador Wilson Witzel anunciou o fechamento as fronteiras, embora o Ministério da Saúde seja contrário à medida. Além disso, o governo federal anunciou que pagará parte do salário dos trabalhadores com jornada reduzida, e a Itália ultrapassou a China em número de mortos. Confira as principais notícias do dia:

Robô tira dúvidas e desmente boatos sobre coronavírus

Conheça a plataforma do GLOBO que organiza informações sobre a pandemia, explica sintomas e dá dicas de prevenção

Brasil tem 621 casos e novos locais com transmissão comunitária; Rio fechará fronteiras

A lista de estados, cidades e regiões do Brasil com transmissão comunitária do vírus (sem origem identificada) aumentou junto da expansão da Covid-19. O país já contabiliza 621 confirmações da doença em 20 estados e o Distrito Federal e sete mortes — cinco em São Paulo e duas no Rio de Janeiro. Ao divulgar balanço diário, o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) disse que os casos vão aumentar: “Estamos no pé da montanha. Vamos começar a subir”.

Em detalhes: a transmissão comunitária ocorre nos estados de São Paulo e Pernambuco, nas cidades do Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belo Horizonte, e na região do município de Tubarão, em Santa Catarina. A prefeitura de BH pediu ajuda ao Exército para enfrentar o avanço do vírus.

Em foco: as fronteiras do Estado do Rio serão fechadas, anunciou o governador Wilson Witzel, que também vai proibir a visita em praias, rios e pontos turísticos da capital, como o Pão de Açúcar. O Ministério da Saúde se posicionou contra a medida de isolar estados.

Mobilização: cerca de dez mil médicos e profissionais da saúde se cadastraram como voluntários para reforçar equipes do Estado do Rio nas primeiras 24 horas da ação do governo estadual. O estado tem 66 casos confirmados da doença. O Paraná também abriu inscrições para ação semelhante.

Governo pagará parte dos salários de trabalhadores com jornada reduzida e coordena repatriação de brasileiros

O governo federal vai pagar parte dos salários de trabalhadores que tiverem os vencimentos e a jornada de trabalho reduzidos durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus. A medida valerá para quem recebe até dois salários mínimos e representa, na prática, uma antecipação do seguro-desemprego. O custo é estimado em R$ 10 bilhões. Também foram anunciadas medidas para os trabalhadores que contraírem o vírus, o setor de turismo e sobre o benefício pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda.

Em paralelo: os ministérios do Turismo e das Relações Exteriores coordenam a repatriação de cerca de 1.500 turistas brasileiros que estão retidos em Portugal, Peru e Marrocos, países que restringiram o trânsito em suas fronteiras. A mobilização ocorre após apelos dos brasileiros por ajuda.

Atrito entre Eduardo Bolsonaro e embaixador chinês sobre coronavírus preocupa governo brasileiro

O comando do Congresso Nacional pediu desculpas à China por críticas do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro. O atrito com o principal parceiro comercial do Brasil também preocupou integrantes do governo, que reagiram com perplexidade às declarações do parlamentar de responsabilizar os chineses pela pandemia. A avaliação é que a atitude de Eduardo pode atrapalhar o esforço diplomático para que o país asiático forneça equipamentos hospitalares ao Brasil.


Em defesa: Eduardo negou ter ofendido o povo chinês e defendeu suas declarações. O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) criticou o embaixador chinês no Brasil por ter repudiado as declarações do deputado.

Contexto: a epidemia de coronavírus começou em território chinês, e autoridades locais tentaram abafar a crise no início. Medidas posteriores de Pequim, no entanto, ajudaram a controlar a Covid-19 e retardar sua disseminação global. Ana Lucia Azevedo compilou as lições da China no combate à doença.

Itália ultrapassa China em número de mortos

Atual epicentro da pandemia, a Itália já contabiliza mais mortes por coronavírus do que a China. Autoridades italianas confirmaram 3.405 vítimas fatais. A situação tende a piorar: a contagem de óbitos diários segue aumentando no país. Foram 425 nas últimas 24 horas — o país tem cemitérios lotados e mobiliza caminhões militares para o traslado de corpos. A Itália tem mais de 41 mil infectados. O governo decidiu prolongar o isolamento obrigatório.


O que está acontecendo:os grandes países europeus estão paralisados. A Espanha, com 767 mortes, também aderiu ao isolamento, e a França cogita estender a quarentena, para além das duas semanas previstas. A Alemanha informou ter as Forças Armadas de prontidão para atuar se o número de infectados subir.

Em paralelo: países do Sul e do Sudeste Asiático alertaram para a escalada de contaminações. Governos da Malásia e da Índia apelaram à população que obedeçam às medidas de quarentena e restrições a circulação. No Oriente Médio, o governo do Irã estima que o país registra uma morte a cada dez minutos.

7 notícias importantes do dia

Sem passo:a fronteira brasileira está fechada para estrangeiros de oito países. Apenas a do Uruguai segue aberta. A restrição não se aplica a brasileiros, ao transporte de cargas e à ajuda humanitária.

Tem pressa:o Senado antecipou para sexta-feira a análise do estado de calamidade pública, já aprovado na Câmara. Votação será remota.

Impactos econômicos: o Tesouro Nacional estima que o rombo nas contas públicas pode chegar a R$ 200 bilhões este ano. Para enfrentar a crise, estados pediram R$ 15 bilhões mensais ao governo federal.

Ação conjunta: bancos centrais de nove países, incluindo o Brasil, anunciaram acordo que prevê troca de reservas em dólar de até US$ 450 bilhões. Pacto pode injetar até US$ 60 bilhões na economia brasileira.

Alerta do Unicef:quase três bilhões de pessoas não têm acesso a água e sabão para proteção ao coronavírus. Contingente representa 40% da população mundial. A OMS teme impacto em nações mais pobres.

Na realeza:o príncipe de Mônaco, Albert II, testou positivo para a Covid-19 e informou que está recolhido em seus aposentos privados.

Guia tira dúvidas sobre sintomas e prevenção ao coronavírus

Documento reúne informações sobre as formas de contágio e os cuidados necessários e pode ser compartilhado. Clique aqui para recebê-lo no WhatsApp

Festival #tamojunto: programação lista 32 shows on-line

Evento virtual promovido pelo GLOBO estreia nesta sexta e terá apresentações até domingo. Veja como acompanhar

Onda de boas ações forma corrente contra isolamento

Grupos se mobilizam pelas redes sociais para fazer compras para pessoas do grupo de risco e ajudar a quem precisa passar o tempo

Rita Lobo e Bela Gil participam de ‘mutirão’ para ensinar receitas on-line

Chefs divulgam vídeos e dão dicas de itens para manter na despensa, dietas equilibradas e informações práticas para enfrentar a quarentena