Brasil terá que quebrar ‘maldição’ de líderes de ranking em Copas se quiser ser hexacampeão; entenda

O mundo ficará de olho na França nesta Copa do Mundo de 2022. Não apenas por ser a atual campeã, mas pela 'maldição' das últimas vencedoras terem sido eliminadas na fase de grupos. O problema é que o Brasil também tem um tabu para chamar de seu. Isso porque, na História, nunca uma líder do ranking mundial da Fifa antes do início do Mundial conseguiu ser campeã. Algo que a seleção brasileira terá que superar se quiser ser hexa.

O Brasil superou a Bélgica neste ranking em março deste ano e consolidou a liderança em setembro. Na ocasião, a seleção brasileira detém 1.841,30 pontos e é seguido pelos belgas (1.816,71) e pela Argentina (1.773,88), terceira colocada. A tabela não será alterada até o final do Mundial.

Desde que o ranking da Fifa foi criado, em dezembro de 1992, nunca uma seleção que chegou na Copa do Mundo como líder conseguiu ficar com o título. O Brasil, por exemplo, conquistou o tetracampeonato mundial em 1994 sendo o terceiro colocado na lista anterior; e o pentacampeão em 2002 sendo a segunda colocada.

Nas duas vezes em que foi a líder do ranking, o Brasil amargou eliminações: em 1998, foi vice-campeão diante da França, que também eliminou a então líder canarinho em 2006; também foi assim em 2010, quando caiu para a Holanda.

Mas a contagem não é válida apenas para o Brasil. Todas as outras líderes também foram eliminadas nesta situação. Antes da Copa do Mundo de 1994, a Alemanha era a líder e acabou eliminada nas quartas de final. Em 2002, a França era a líder e caiu na fase de grupos, assim como a Espanha em 2014 e a Alemanha em 2018.