Brasil vence Peru e se aproxima de vaga para a Copa do Mundo

·2 minuto de leitura

Foi um jogo para mostrar que a confusão da partida anulada contra a Argentina não tirou o foco dos brasileiros. Com atuação dedicada (principalmente no primeiro tempo), a seleção bateu o Peru por 2 a 0 e chegou à oitava vitória seguida nas Eliminatórias. Encerra a rodada de setembro mais próxima da vaga.

O Brasil chegou aos 24 pontos e manteve os seis à frente da Argentina, que ontem venceu a Bolívia por 3 a 0 (três gols de Messi, que superou Pelé como maior artilheiro de uma seleção sul-americana, com 79). Em outubro, voltará a jogar contra Venezuela (dia 7), Colômbia (dia 11) e Uruguai (dia 14).

A seleção criou muito mais (e melhor) do que na vitória sobre o Chile, na semana passada. A escolha por Gerson e Éverton Ribeiro se mostrou acertada. O primeiro, mais adiantado do que Casemiro, deu qualidade à saída de bola e ainda apareceu com perigo na frente.

Mas foi Éverton o grande destaque. Além do gol, aos 14, e da participação no de Neymar (aproveitou um chute dele desviado pela zaga peruana, aos 39), o meia deu opção ao lado direito da seleção. Contribuiu também o posicionamento mais ofensivo de Danilo.

Além disso, o jogador do Flamengo teve um bom posicionamento. Mesmo quando as jogadas não eram pelo seu lado, ele soube acompanhar e ficar bem posicionado. Foi assim que aproveitou o cruzamento de Neymar que resultou em seu gol.

O camisa 10 também foi um dos nomes da partida. Movimentou-se bastante e de forma inteligente, tanto de um lado ao outro quanto voltando para ajudar no início da construção. Com isso, ditou o ritmo da partida.

O ponto negativo de sua noite foi, ao sair de campo, reclamar de uma suposta perseguição da imprensa. Ao ser perguntado a que tipo de perseguição se referia, não soube dizer e se limitou a responder com um “todos”. O desabafo mal explicado ocorre após o atacante ser criticado por torcedores nas redes sociais pela sua forma física.

Fico muito contente de ser de ser recordista de artilheiro das eliminatórias, ser o maior assistente com a camisa da seleção brasileira e logo menos, se tudo caminhar bem, passar o Pelé. Estou muito feliz. Não sei mais o que faço com essa camisa para a galera respeitar o Neymar

Gabigol até procurou, mas não achou o gol que tanto queria. Jogador mais adiantado e centralizado do ataque, o camisa 9 buscou se mexer e não ser apenas um finalizador. Sua melhor contribuição foi o passe para Éverton Ribeiro no gol de Neymar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos