Brasileiro expulso de banda na Coreia do Sul relata proibição para trabalhar com arte

Louise Queiroga
·4 minuto de leitura

O músico Victor Han, que vive na Coreia do Sul desde os 10 anos de idade e é conhecido como o primeiro idol de K-pop brasileiro, anunciou nesta quarta-feira, 25, uma decisão judicial que o proíbe de publicar vídeos em seu canal no YouTube, com mais de 480 mil inscritos, bem como produzir trabalhos artisticos de forma independente — como ele planejava fazer, já que como ele mesmo define, sua vida é fazer música.

Segundo Victor, a decisão judicial da qual ele tomou conhecimento nesta quarta-feira o impede de praticar atividades artísticas, como realizar de shows e gravar de músicas, incluindo usar redes sociais para este fim, além de participar em programas de TV e rádio.

— Não posso cantar ou tocar instrumentos, nem escrever músicas. Trabalhar com arte é tudo o que sei fazer, então basicamente (a decisão) diz que não posso fazer nada — contou Victor por telefone ao EXTRA nesta quinta-feira, 26. — Em 2010 comecei a tocar bateria, em 2012 virei trainee e consegui debutar em 2020. Foram oito anos de trainamento.

A notícia deixou os fãs dele indignados e, no mesmo dia do anúncio, a hashtag #FreeVictor já estava entre os assuntos mais comentados no Twitter Brasil.

— Senti a responsabilidade de contar para os fãs do Brasil porque eles não iam entender se eu parasse de postar. Vi que o pessoal está subindo hashtag nas redes sociais. Estão super me ajudando. Eu eestava quase desistindo de ser artista, mas eu nasci artista, é o que faço há mais de dez anos.Quero muito agradecer o apoio dos brasileiros. Fiquei muito emocionado. Vocês estão me dando força — destacou.

Victor mostrou-se grato também a sua família.

— Minha família também está muito assustada. Os pais também nunca vão querer que isso aconteça na vida de seus filhos, e estou começando a minha vida desse jeito. Eles estão com dó de mim, mas confiam em mim. E eu também confio — acrescentou.

Nascido em São Paulo, o baterista filho do ator de teatro Cleto Baccic se mudou para o país do leste asiático ainda criança com sua mãe, que é sul-coreana. Após oito anos como trainee em uma agência de entretenimento, ele debutou na banda About U no início deste ano. No entanto, Victor relata que após três semanas da estreia ele foi expulso pela empresa. Ele conta que a decisão por retirá-lo foi tomada depois de ter quebrado uma baqueta durante uma performance em um programa de TV.

— No dia em que eu fui expulso, o chefe falou que fui demitido porque quebrei a baqueta e que isso não pode ser feito em uma apresentação ao vivo na TV. Ele disse que eu entraria na lista de artistas impedidos de participar em shows televisivos e que a banda também não poderia se apresentar se eu estivesse junto — disse.

Desde que Victor saiu da banda em março, vem publicando vídeos no canal do YouTube "Victor the Drum Destroyer" que em pouco tempo tornou-se sucesso entre brasileiros fãs de K-pop. O vídeo com a recente notícia já soma 86 mil visualizações.

— Ele me expulsou o que aconteceu depois? Quando fiquei famoso, saí num dos maiores shows da Coreia e fiquei sabendo que não estava impedido de aparecer, o chefe tinha inventado aquilo.

Os planos de Victor envolvem a produção de um CD e ele contou estar se preparando para a gravação das músicas.

— Acho absurdo não trabalhar e vou continuar fazendo minhas coisas e quando isso tudo melhorar, poderei publicar.

Ao longo de 2020, a gravadora entrou com uma ação na justiça contra os trabalhos independentes de Victor. Ele contou que venceu o primeiro julgamento sobre o caso, mas após a agência recorrer, o juiz voltou atrás e atendeu as demandas feitas pela outra parte.

— Agora o maior problema é que o juiz mudou (o veredicto) nessa segunda decisão sem fazer a audiência. Como não tive a chance de me defender, estou falando com meu advogado para tentar anulá-la. Mas também vou entrar com recurso. O outro problema é que até a nova decisão chegar não posso fazer nada.

Em 11 de março, a Corona X Entertainment. publicou um comunicado no Instagram sobre a decisão de retirá-lo da banda.

"Pedimos sinceras desculpas por quaisquer preocupações que vocês tenham sentido em relação à suspensão das atividades de Victor, um membro de nossa banda About U. Fizemos nossos melhores esforços para proteger nossas celebridades em uma situação em que as ações repentinas do membro persistem", afirma a nota.

"Existe a preocupação de que seja uma situação perigosa não apenas para os membros, mas também para os funcionários. Como resultado, foi julgado que não podemos continuar nossas atividades em grupo e lamentamos muito que tenhamos tomado uma decisão difícil", diz em outro trecho.

A gravadora alega que o contrato de exclusividade continuou válido embora tenha decidio pela saída de Victor.

"Se o grupo sofrer uma desvantagem devido ao comportamento individual inesperado acima, tomaremos medidas legais estritas contra ele. A About U continuará suas atividades como uma banda de três pessoas por enquanto, e pedimos o seu apoio do público, dizendo que não pouparemos todo o apoio aos nossos artistas para que possam crescer em casa e no exterior", completa a nota.