Brasileiro que tentou matar Cristina Kirchner premeditou crime junto com namorada

Investigação aponta que tentativa de assassinato de Cristina Kirchner foi premeditada por brasileiro e sua namorada. (Foto: Reprodução)
Investigação aponta que tentativa de assassinato de Cristina Kirchner foi premeditada por brasileiro e sua namorada. (Foto: Reprodução)
  • Casal está preso

  • Juíza afirma que brasileiro e namorada agiram com 'planejamento prévio'

  • Investigação faz perícia em celular e apartamento de suspeito

A investigação sobre a tentativa de assassinato da vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, mostram que o crime foi premeditado pelo brasileiro Fernando Sabag Montiel, autor do atentado, e sua namorada, Brenda Uliarte.

O crime aconteceu no dia 1º de setembro, quando Montiel tentou disparar duas vezes contra a cabeça da vice-presidente. Ele está preso desde então.

O brasileiro e a namorada foram acusados formalmente pela juíza María Eugenia Capuchetti. Segundo ela, a dupla agiu “com planejamento prévio”, aproveitando o “estado indefeso” de Kirchner. A investigação aponta também que Uliarte estava perto do local do atentado.

O jornal local La Nación informou que novas investigações estão sendo feitas no apartamento do suspeito. O celular de Montiel foi periciado e autoridades encontraram imagens dele e da namorada com a arma usada no crime.

A acusação afirma que o brasileiro “operou a cauda do gatilho em pelo menos uma ocasião, sem que o disparo fosse produzido. A arma estava carregada com cinco cartuchos de bala do mesmo calibre e era adequada para seus propósitos específicos”.

Namorada presa

A namorada do brasileiro acusado de tentativa de assassinato contra a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, foi presa na noite do último domingo (4).

A detenção de Brenda Uliarte, de 23 anos, foi decretada pela juíza do caso, María Eugenia Capuchetti. A juíza também determinou, na tarde de ontem, sigilo no inquérito. Ela analisou, junto com o promotor Carlos Rívolo, imagens de câmeras de segurança que registraram o ataque, que ocorreu no bairro nobre da Recoleta, em Buenos Aires. Eles também tomaram depoimentos de testemunhas.

Na sexta-feira (2), Uliart disse que não achava que ele "conseguiria fazer algo assim". Ambar, como é chamada a namorada, negou que soubesse que o namorado iria praticar a ação. Ela também afirmou que o dois se relacionam há apenas um mês.