Brasileiro que vive em Portugal relata rotina durante pandemia

Antes acostumado com o burburinho das ruas e o vai e vem de turistas em uma das cidades mais visitadas do mundo, Lisboa, em Portugal, o influenciador digital e jornalista Felipe Augusto Pimentel, de 24 anos, agora escuta apenas ambulâncias e bombeiros. Morando na cidade desde o início do ano, ele viu a rotina mudar drasticamente após a região explodir em casos de coronavírus.

Todos estão em casa por conta das medidas preventivas de combate ao Covid-19:

— Vim para Portugal com a proposta para trabalhar como diretor de marketing de uma empresa do ramo de turismo. Mas depois que apareceu o coronavírus, muita coisa mudou na nossa rotina. Já são muitas mortes e o país está preocupado com esse vírus, que é muito perigoso e já atacou boa parte do mundo. É hora de se cuidar, ficar em casa e esperar essa situação passar para as coisas voltarem ao normal.

Felipe disse que assimilou de fato o que estava acontecendo quando as restrições de circulação o impediram de ir ao trabalho.

— Quando você começa a ter um raio, um perímetro, para poder sair da sua casa, fazer atividade física, fazer suas compras, e só pode sair de forma justificada, foi quando a ficha caiu — conta.

Sem fotos ao ar livre ou saídas para gerar novos conteúdos para alimentar seu feed no instagram – que reúne milhares de seguidores. Agora, o brasileiro sai apenas para comprar comida, sempre de máscara.

—Estou cumprindo direitinho a quarentena, só estou saindo para ir ao supermercado e não pego transporte público.

O jovem relata que apenas os serviços essenciais como hospitais, farmácias e mercados estão abertos, mas com horário reduzido e critério de limite de entrada nos estabelecimentos. A opção de delivery tem sido a preferida entre os portugueses, que podem pagar até pelo telefone para evitar ao máximo o contato.

Apesar do momento delicado, o jornalista que também é influencer mantém a esperança em dias melhores, e acredita que em breve a vida voltará ao normal:

— Temos vários medicamentos sendo testados contra isso, mas também a união e solidariedade podem ser um bom remédio nestes tempos de pandemia — diz.