Quase 6 mil brasileiros ainda estão no exterior por causa do coronavírus

Debora Álvares
Cerca de 400 brasileiros que ficaram presos no Peru com as medidas preventivas ao coronavírus já foram repatriados.

Cerca de 5,8 mil brasileiros ainda estão com dificuldades para retornar ao Brasil por conta de fechamentos de fronteiras, paralisações de companhias aéreas e demais medidas restritivas impostas em diversas localidades do mundo com a pandemia do coronavírus. A informação foi dada nesta quarta-feira (1º) pelo chefe do Itamaraty, Ernesto Araújo. O governo brasileiro, entretanto, logrou êxito na repatriação de 10 mil pessoas desde o início da crise da covid-19. 

“Até então trabalhamos com voos de companhias aéreas e, em todos os casos, era necessário obter autorização de sobrevoo, identificar e reunir brasileiros e apoio operacional em terra. Para se ter a dimensão de diálogo político, tenho falado com muitos chanceleres para cooperação com Brasil”, explicou o ministro das Relações Exteriores.

Segundo ele, a partir de agora, quase todas as repatriações devem ocorrer por voos charter, quando o governo brasileiro deverá pagar às companhias aéreas para trazer os brasileiros ao País. Isso porque não há mais previsão de viagens de diversas localidades do mundo para o Brasil.

Ernesto citou que devem se enquadrar nesses casos quem desejar voltar, por exemplo, da Austrália, Nova Zelândia, Colômbia e África do Sul.

“Da África do Sul hoje está vindo um voo ainda comercial com mais de 300 brasileiros e estamos providenciando um voo charter para aqueles que faltam. Também não é fácil, porque nem todos estão no mesmo lugar. A situação interna no país é difícil. Estamos providenciando também isso para que as pessoas possam chegar ao aeroporto”, esclareceu o chanceler. 

Conforme levantamento do Itamaraty, Portugal é o país que ainda concentra mais brasileiros que querem retornar para casa. “Já conseguimos ajudar a regressar cerca de 6 mil, e calculamos um pouco mais de 1,5 mil brasileiros em situação de dificuldade por lá.”

Segundo o ministro, nos próximos 3 dias ainda devem sair voos comerciais do país europeu...

Continue a ler no HuffPost