Brasileiros podem escolher diretrizes para plano sobre internet das coisas

Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil

Uma nova consulta pública sobre o Plano Nacional de Internet das Coisas recebe sugestões até a próxima sexta-feira (14). Nessa nova etapa, os participantes poderão colaborar para a elaboração de uma frase que sintetize a aspiração do Brasil com base nos principais assuntos levantados durante as discussões sobre o plano.

Os participantes deverão elencar, em ordem de importância, as cinco principais diretrizes para a elaboração do plano: cadeia produtiva; competitividade; desafios locais; inclusão social; e sociedade conectada e empoderada. A consulta pode ser acessada neste link.

As sugestões serão recebidas pelo consórcio que está desenvolvendo o estudo para o Plano Nacional de IoT (em inglês, Internet of Things), solicitado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O ministério já realizou uma consulta pública este ano para colher sugestões para o plano e também está ouvindo investidores e pesquisadores internacionais sobre o assunto. A previsão é que o plano fique pronto em setembro.

IoT

A Internet das Coisas (Internet of Things – IoT) é a a rede de objetos que se comunicam e interagem de forma autônoma, via internet. Estima-se que já existam mais de 15 bilhões de dispositivos conectados à IoT em todo o mundo, incluindo smartphones e computadores. A previsão é que, em 2025, seja atingida a marca de 35 bilhões de dispositivos.

As aplicações são diversas e incluem desde o monitoramento de saúde, o controle de automação industrial, até o uso de dispositivos pessoais conectados. Com a IoT é possível, por exemplo, monitorar e gerenciar operações a centenas de quilômetros de distância, rastrear bens ou detectar mudanças na pressão sanguínea de um diabético.