Português, Ricardo Pereira comenta xenofobia contra brasileiros: “Condenáveis"

Ricardo Pereira comentou sobre a xenofobia contra brasileiros em Portugal (foto: TV Globo/Imprensa Globo)
Ricardo Pereira comentou sobre a xenofobia contra brasileiros em Portugal (foto: TV Globo/Imprensa Globo)

Resumo da Notícia:

  • Ricardo Pereira é um ator português que trabalha há anos no Brasil

  • O ator comentou sobre os casos de xenofobia contra brasileiros em Portugal

  • Ele reforçou que os atos precisam ser denunciados para as autoridades

Portugal tem vivido o que alguns até chamam de ‘colonização’, com cerca de 250 mil brasileiros residindo no país europeu. Mas com o aumento dos brasileiros também cresceram as denúncias de xenofobia na ‘pátria mãe’. Ricardo Pereira, que é português, falou com o Yahoo sobre o tema.

No ar em “Cara e Coragem”, a novela das sete da TV Globo, ele comentou que a xenofobia não é generalizada no além-mar. “Os casos que acontecem são condenáveis, seja em Portugal, seja no Brasil, seja no mundo. A gente deve respeitar todos os tipos de pessoas, todos os tipos de religiões. Temos que respeitar a diversidade que o nosso mundo tem”, apontou.

Ricardo destacou que o país recebe há muitos anos estrangeiros. “Na Europa, com as fronteiras abertas, recebemos pessoas de todas as nacionalidades. Hoje tem muito brasileiro, mas sempre teve, são países irmãos, como tem muitos franceses”, avaliou.

Pereira pede que os casos não sejam comentados só nas redes sociais, mas também na polícia. “Essas situações têm que ser denunciadas. Para serem corrigidas. Temos que trazer esses assuntos à tona, nas primeiras páginas, para erradicarmos, tem que acabar”, enfatizou.

É português?

Outro fato que brasileiros apontam como motivo de discriminação em Portugal é a língua. Lá, português do Brasil é português? “É. E não é só em Portugal, no Brasil, em Cabo Verde, em Angola. O meu avô era angolano, tenho família de Moçambique. Falamos a mesma língua, de um jeito diferente”, reforça.

O ator ainda acrescenta: “A língua é um processo que tá em constante evolução e, como irmãos, países que falam língua portuguesa, são irmãos. Todos nós ganhamos quando a gente consegue ajudar, todos nós perdemos quando não. Temos que nos respeitar e respeitar a diversidade de cada um, a diferença que cada um traz é muito importante, principalmente nos dias de hoje”, conclui.