Breno Silveira trabalhava em projeto de série com quatro episódios sobre Roberto Carlos; veja detalhes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Ajudar a levar a vida de Roberto Carlos para as telas era um projeto especial para Breno Silveira, que morreu de infarto, aos 58 anos, no último sábado. Quando terminasse de filmar "Dona Vitória", com Fernanda Montenegro no papel principal, o próximo trabalho do diretor seria uma série de quatro episódios sobre a vida do Rei.

O projeto, pensado inicialmente como um longa-metragem, conta com um roteiro escrito por Nelson Motta e Patrícia Andrade, e narra a trajetória do cantor, da infância pobre em Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo, à consagração nacional. O trágico acidente, um assunto tabu durante anos para o artista, também está presente na história.

O próprio Nelson Motta contou detalhes do projeto em entrevista a Washington Olivetto no podcast W/ Cast, em novembro de 2021. O jornalista e escritor, que teve vários encontros com Roberto, ainda detalhou como seria a sequência inicial da série.

"É dia de festa em Cachoeiro de Itapemirim, com a bandinha da cidade tocando e crianças correndo pelas ruas. O trem vem vindo, apitando, e surge um menino na frente. Ao fundo, Roberto Carlos canta à capela a música 'O divã', com os versos 'relembro bem a festa, o apito, e na multidão um grito, o sangue no linho branco, a paz de quem carregava, em seus braços quem chorava, e no céu ainda olhava'".

Nelson Motta revelou também que Roberto Carlos não teve mais problemas em falar do acidente e que ainda detalhou como foi sua infância depois, até conseguir uma prótese, aos 14 anos.

"Roberto contou que com 13/ 14 anos ele não tinha nem uma prótese na perna. Era aquela calça com alfinetinho e a muleta. Ele ia para o colégio, brincava. Depois, o pai dele ouviu falar que no Rio havia um médico que fazia prótese. Ele foi lá com o pai, mas não deu em nada. No terceiro hospital que eles foram, ouviram falar de um médico alemão. Vai ver foi treinado em algum campo de concentração ou era um inocente só. O fato é que o cara era um craque. O alemão botou uma bola de tênis para amenizar e construiu uma prótese para o Roberto. Ele contou que saiu correndo, tropeçando, foi correndo pela praia. No dia seguinte, ele foi a um baile e dançou a noite inteira. Ele não teve nenhum problema em falar da perna, do acidente", revelou o jornalista e escritor, que esclareceu ainda a mudança de formato do projeto: "Tive uma notícia mais recente que não vai rolar o filme, mas que será agora uma série de quatro episódios para a televisão".

Na mesma entrevista, Nelson Motta disse que seu compromisso era fazer o primeiro tratamento do roteiro, e que Patrícia fez outras versões: "Agora não falta mais nada. Falta só o OK dele mesmo".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos